Terça-feira, 12 de Agosto de 2008

POESIA !


A partir de hoje passamos contar com as colaborações de Silas Correa Leite.

Poeta curitibano radicado em Itararé (SP) e na capital paulista nos traz uma nova visão da poesia urbana.


Leminskiana de Agosto


Paulo Leminski muito contra gosto

Passou feito um fuzilo de sol posto

Como um haicai gótico sem rosto

Quem viu leminski e quem não viu

Ou leu assim do pirilâmpado sorriu

E quem não o olhou rabo de bugiu

Porque Leminski veio e foi de vereda

Metalingüística em palavreio labareda

No tear de arames com letral de seda

Tomou todas e muito mais ele fez

(Espuma de cerveja é haicai japonês)

E deu-se tom de quartzo em rósea tez

Passou depressa e quase por um triz

Fez ruir ainda a mu ltimusa alice ruiz

Em verso e música e saudade cicatriz

Depois foi poetar no céu ele era de lá

Muito além de curitiba ninhal paraná

Que é pé-vermelho onde canta a sabiá

.................................................................

E num agosto sem paulo leminski vário

Ficou a poética brasil a lembrá-lo hilário

Poetando sobre ele em mês de aniversário

-0-

Improviso Para Leminski - Silas Correa Leite



Feito na Luta





Acostumado a destemperos, problemas, conflitos

Fui treinado a vida inteira para lutar

Romper diques, mudar o que precisaria enfrentar para ser mudado

Que assim me fiz guerreiro e sempre pronto para embates e confrontações

Tive que cavar eu mesmo o meu próprio pão

Minha rotina foi sempre de vencer desafios

Cada dia, cada luta, e em cada luta lições e o meu próprio quinhão

De dor, de sofrimento, mesmo com neuras, certas conquistas e realizações

Acostumado a estar próximo da morte nas trilhas

Agora que consegui o que busquei, já em calmaria

J á não tenho muitos desafios para continuar sendo o que aprendi a ser

Um batalhador feito de brios, com sangue e suor de duras empreitas

Ninguém mais discute ou teima comigo agora

Nem espadas ou dialéticas, nem impertinências

Parece que essa nova rotina virou um triste caldo água com açúcar

Não tem muito a ver comigo, com o ímpeto para o qual fui treinado

As vezes imploro que alguém discorde de mim

Que me desafie para nova evolução na luta

Mas ninguém quer topar duelo com o guerreiro que me fiz e assim

Começou perder a graça de viver pelo que sempre fui feito na vida




Para Barthes
 

Tome NADA. Você vai adorar! Isso é que é: NADA. Ah... NADA! Você nunca vai tomar NADA igual. O sabor de NADA é o seu sabor. Você vai adorar NADA geladinho, pronto pro desfrute. NADA é espumante, colorido, cheiroso, sabor nenhum. NADA não faz mal, NADA não faz NADA, NADA não tem efeito colateral, não aguça a sua sensibilidade. Não faz bem pra NADA, e ainda você vai pagar por NADA. Nove entre dez pagodeiros decadentes e peladeiros mercenários, adoram NADA... Inclusive as oxige-NADAS. Já vem cremado. NADA. Essa é a idéia. NADA. Quem tomou sabe o quanto vale. Custa quanto dá prazer: NADA. Sabor que vagamente lembra ar neutro. NADA é a sua cara, o seu jeito todo especial de ser e de viver. NADA um dia vai ser só seu. NADA a ver. NADA a ser. Co mo você, NADA é um sucesso! O mais famoso e popular, no mundinho inteiro. Todos conhecem NADA. Sem NADA você não chega a lugar nenhum. Quem sabe o que é, toma NADA. Essa é a idéia. No calor, no frio, na eleição, na solidão, na viagem, NADA. Você vai se sentir em casa. Você vai se sentir em você. O melhor do mundo é aqui e agora: NADA. O melhor lugar é NADA. Tome NADA e se encontre com o prazer de parecer com quem é de NADA. Sinta-se pleno e feliz assim. Agora é a vez de NADA. Experimente e deixe se for capaz. NADA será como antes, NADA será como foi, nada será como está, NADA será. NADA será a mesma coisa. NADA. A gente se vê no NADA. Não ande sozinho, ande com a maioria: NADA. Fique ligado: NADA é a moda da vez. Viva por NADA. Se você não for NADA, sempre terá outras mil maneiras maravilhosas de ser NADA. De se encontrar consigo mesmo sendo NADA. Agite antes de usar. Guarde em lugar público. Reutilize sempre os cascos. O kit básico tem garanti as contra violações. Cresça e apareça. NADA. Você vai acabar ficando. NADA: a sua opção da vez. Quem quer alto estilo, sabe que a moda agora é NADA. Todos por NADAS. Os NADAS unidos, jamais serão permissivos. Escolha agora o cálice do para sempre: NADA. Quem é vivo nasce NADA. Há NADAS que vêm pra vem. O melhor do Brasil é NADA. Sinta a diferença: NADA. NADA é do bem. NADA faz a sua cabeça e você sabe o que quer dizer isso. NADA chama. Você responde. Quem é NADA sempre acaba se encontrando. Os NADAS se atraem. Como é bom ser NADA. Quem anda com NADA, jamais será incomodado. NADA faz a diferença. NADA: não use no claro. Não deixe perto de poetas, professores, radicais e filósofos. Eles são um perigo, podem querer tirar você do NADA. NADA. Essa é a sua marca, a sua grife. Não deixe NADA pra depois. Seja NADA agora. Brigue pra ser NADA. Todos vão adorar por você ser NADA. Nada vai na onda, sabe o que quer. Respeito por você: NADA. NADA não cant a, não voa, não NADA. NADA é chocante. Reproduz com uma facilidade fora do sério. Desconfie das falsificações. NADA não perde o vínculo. Não aceite pirataria, se você pode ser um legítimo NADA e NINGUÉM. Tudo é crime. NADA topa tudo por dinheiro. Pra NADA tudo é fácil. Não atrapalha ninguém. Não saca NADA. Para NADA tudo é NADA. Para ser uma metamorfose ambulante que tem aquela opinião formada sobre TUDO você ainda tem que ser bastante NADA. Quem é NADA nunca esquece. NADA não tem compromisso com ninguém. NADA fez, NADA faz, você sabe. NADA rouba mas diz que é tudo. Você sabe o que quer, sabe NADA. NADA está onde sempre esteve. Seu lugar é NADA. A sua cara. Não fuja do NADA. Não tire o NADA de sua intenção de voto. NADA é nulo. NADA é picolé de chuchu. O Brasil é campeão mundial do NADA. São Paulo tem a maior concentração de NADAS. NADA: use e abuse. NADA foi feito certinho pra você. Acredite nisso. Em terra de NADAS, um a mais é se mpre garantia de segurança pra todo mundo. NADA: quem conhece, confia. NADA: esse é da famosa Banda dos Contentes. Todos os NADAS são iguais. Não arrisque agora que ninguém tá com NADA. NADA é NADA e pronto. NADA é quase o seu projeto de vida. Sua lenda pessoal, sua reza brava. NADA é divino-maravilhoso. A toda hora, em todo lugar, sempre há um espaço garantido pro NADA. NADA não ocupa lugar no seu stress, no seu spa, no seu cafofo, no seu ofurô. NADA vai levantar poeira. Não se perca; NADA é o verdadeiro caminho. NADA acredita em tudo. Havemos de votar? NADA a declarar. Em terra de NADA, tem sempre um NADA em seu caminho, em sua frente, do seu lado, em seu trabalho, na sua casa, na sua escola, pertinho de você. Não fure essa corrente de NADAS. NADA: acredite se quiser. NADA. Ame-o e deixe-o amar. Deixe-o ser o que quer. Afinal, quem nasce pra ser NADA, só conhece o numero Zero porque se avalia. NADA como um NADA após o outro. Coloque-se no seu lugar: NADA ! Do NADA viemos ao NADA voltaremos. Somos o NADA entre o início e o fim. E tem gente que, para ser NADA, ainda tem que nascer de novo. Já pensou? Não pense. NADA não pensa. Não pense em NADA. Seja NADA. Você merece.

 

PS: Qualquer semelhança com o NADA e o NINGUÉM em quem você votou é mera coincidência.

 

UQNAN

 

União dos Que Não Aceitam Nada

 

Gerente Filosofal: Poeta Silas




Para coonhecer um pouco mais da obra de SILAS
(Poeta do Paraná Criado em Itararé-SP e Radicado em Sampa)


E-mail: poesilas@terra.com.br

Blogues: http://www.portas-lapsos.zip.net/

Ou http://www.campodetrigocomcorvos.zip.net/

tags: ,
publicado por o editor às 14:42
link do post | comentar | favorito
1 comentário:
De silas correa leite a 10 de Abril de 2009 às 00:18



Poema Para Nara Leão



In Memoriam



Para Everi Carrara



A voz de Nara Leão

O rosto de Nara Leão

A artista que cantava como se dedilhando

O encordoamento vocal



O repertório de Nara Leão

O tom o timbre – a música

A voz que sabia a perfeição do canto

Portentosa jóia rara



A ternura de Nara Leão

Como se lavasse lágrimas

Pondo-as em teclas de um piano íntimo

Soando estrelamentos-blues



...............................................



O silêncio de Nara Leão



Ainda evoca saudades



Como um símbolo de repertório e interpretação



Magnificamente Estrela!



-0-



Silas Correa Leite

E-mail: poesilas@terra.com.br

Blogue: www.portas-lapsos.zip.net




Comentar post

.tags

. todas as tags

.arquivos

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

.FALE COM A GENTE


.subscrever feeds