Segunda-feira, 18 de Agosto de 2008

A Cabana




de William P. Young
 

UM LIVRO NO MÍNIMO INSTIGANTE ONDE OS DOGMAS DE FÉ SÃO POSTOS À PROVA DE UMA FORMA DIFERENTE.

Publicado nos Estados Unidos por uma editora pequena, A cabana se revelou um desses livros raros que, através do entusiasmo e da indicação dos leitores, se torna um fenômeno de público – já são quase dois milhões de exemplares vendidos – e de imprensa.

Durante uma viagem de fim de semana, a filha mais nova de Mack Allen Phillips é raptada e evidências de que ela foi brutalmente assassinada são encontradas numa cabana abandonada.

Após quatro anos vivendo numa tristeza profunda causada pela culpa e pela saudade da menina, Mack recebe um estranho bilhete, aparentemente escrito por Deus, convidando-o para voltar à cabana onde aconteceu a tragédia.

Apesar de desconfiado, ele vai ao local do crime numa tarde de inverno e adentra passo a passo no cenário de seu mais terrível pesadelo. Mas o que ele encontra lá muda o seu destino para sempre.

Em um mundo tão cruel e injusto, A cabana levanta um questionamento atemporal: Se Deus é tão poderoso, por que não faz nada para amenizar o nosso sofrimento?

As respostas que Mack encontra vão surpreender você e podem transformar sua vida de forma tão profunda quanto transformou a dele. Você vai querer partilhar este livro com todas as pessoas que ama.

****
Durante uma viagem que deveria ser repleta de diversão e alegria, uma tragédia marca para sempre a vida da família de Mack Allens: sua filha mais nova, Missy, desaparece misteriosamente. Depois de exaustivas investigações, indícios de que ela teria sido assassinada são encontrados numa cabana abandonada.

Imerso numa dor profunda e paralisante, Mack entrega-se à Grande Tristeza, um estado de torpor, ausência e raiva que, mesmo após quatro anos do desaparecimento da menina, insiste em não diminuir.

Um dia, porém, ele recebe um estranho bilhete, assinado por Deus, convidando-o para um encontro na cabana onde aconteceu o assassinato. Cheio de dúvidas, mas procurando um meio de aplacar seu sofrimento, Mack atende ao chamado e volta ao cenário de seu pesadelo.

Chegando lá, sua vida dá uma nova reviravolta. Deus, Jesus e o Espírito Santo estão à sua espera para um "acerto de contas" e, com imensa benevolência, travam com Mack surpreendentes conversas sobre vida, morte, dor, perdão, fé, amor e redenção, fazendo-o compreender alguns dos episódios mais tristes de sua história.

De uma leitura intensa, sensível e profundamente transformadora, este livro vai fazer você refletir sobre o poder de Deus, a grandeza de seu amor por nós e o sentido de todo o sofrimento que precisamos enfrentar ao longo da vida.

"Esta história deve ser lida como se fosse uma oração – a melhor forma de oração, cheia de ternura, amor, transparência e surpresas. Se você tiver que escolher apenas um livro de ficção para ler este ano, leia A cabana."

o AUTOR

William P. Young nasceu em Alberta, no Canadá, mas passou grande parte de sua infância em Papua Nova Guiné, junto com seus pais missionários em uma comunidade tribal. Ele pagou seus estudos religiosos trabalhando como DJ, salva-vidas e diversos outros empregos temporários. Formou-se em Religião em Oregon, nos Estados Unidos.


UM LANÇAMENTO DA

 

publicado por o editor às 13:40
link do post | comentar | favorito
6 comentários:
De Rodney a 27 de Agosto de 2008 às 20:45
Dossiê A Cabana de William P. Young


http://antenacrista.blogspot.com/2008/08/dossi-cabana-de-william-p-young.html


De Rodney a 27 de Agosto de 2008 às 20:53
Dossiê A Cabana de William P. Young


http://antenacrista.blogspot.com/2008/08/dossi-cabana-de-william-p-young.html


De H K Merton a 30 de Dezembro de 2008 às 16:02
Não acho que esse livro vá contra algum dogma. Acho que ele fala de uma relação muito íntima, direta, e, principalmente, amorosa, com Deus, de um jeito que nunca tinha sido ousado antes. Não é para os estômagos mais fracos, mas a mensagem central do livro é simplesmente maravilhosa...


De Maria João a 18 de Março de 2009 às 15:43
Um livro interessante na sua abordagem do perdão divino e da bondade de Deus, cuja trama consegue prender a atenção. Talvez por isso tenha a popularidade que está à vista. Mas uma leitura de maior profundidade deixa claro que o seu autor pode induzir muita gente em erros grosseiros, designadamente quem não possua uma formação sólida sobre o que é Deus, a Trindade, o Cristianismo ou a Igreja. Sob a capa da ficção, tal como em O Código da Vinci, passam muitas inverdades e interpretações muito duvidosas e uma visão muito pessoal de algo próximo do Cristianismo, mas muito mais pessoal do que institucional. Pessoalmente, prefiro continuar a apoiar-me nos conhecimentos seculares da Igreja e na Bíblia para esclarecer as minhas dúvidas e fortalecer a minha fé do que aderir à pretensa «religião de Young»...


De Paola a 19 de Junho de 2009 às 15:14
O livro é ótimo, recomendo a todos que não leram, faz com que a gente reflita sobre pequenas crenças, e atos do nosso dia-dia. Muito bom mesmo o livro, leiam. Visita meu site: contabilidademantiqueira.com.br desenvolvido pela namp.com.br


De Hany Brosque a 26 de Julho de 2009 às 19:17
Estouterminando de ler o livroa "A Cabana"; esotu gostando muito forma como o autor apresenta a Trindade, uma vez que deus é soberano Ele pode se apresentar da forma que quer!!! E Ele tem um jeito todo espeacail para falar com cada um de nós, vesse pela conversão de Paulo, que ficou cego por tres dias!! Imaginem o que se passaram nesses tres dias com Paulo??? Um homem frio, perseguidor da "igreja " matava os cristãos e acreditava piamente em seus dogmas cristãos e Jesus vem e o colocana na dependencia dele..enfim o livro é uma forma que o autor encontrou de apresentar Deus para seus filhos e esposa e de uma forma inisitada se abriu para o Mundo... Deus tem uma proposito para tudo e esse é o misterio que nos humanos nunca entenderemos..somente na Gloria com ELE.... e eu estarei la ..lavando os pes do nosso Papai!!!!!amem!!!


Comentar post

.tags

. todas as tags

.arquivos

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

.FALE COM A GENTE


.subscrever feeds