Sexta-feira, 29 de Agosto de 2008

PADRES CELIBATO E CONFLITO SOCIAL





- Uma história da Igreja católica no Brasil


de Kenneth P. Serbin
Páginas - 448

Padres, celibato e conflito social é uma história da Igreja católica no Brasil vista sob o prisma dos padres. A Igreja é um dos eixos fundamentais da política e da vida social brasileiras. Os padres, agentes da instituição eclesiástica, sujeitos a pressões e influências de diversas fontes (da elite, do povo, do Vaticano e de sua própria consciência), constituem rico material de pesquisa sobre como a ação da Igreja se dá.
Serbin destaca especialmente a formação de padres no Brasil. Ao analisar os papéis sociais, o poder econômico e as origens étnicas do clero na era colonial, por exemplo, ressalta o impacto social da atividade missionária da Igreja, seu apoio ao escravagismo e à repressão da cultura indígena e africana.
Abrange, também, períodos de crise, em que vários padres tornaram-se revolucionários, e outros mais amenos, com a romanização da Igreja, o afastamento de padres da política e a proliferação de seminários (de 12 para mais de 600). Apoiado em farta documentação e rica pesquisa histórica, Serbin analisa todos esses períodos em uma narrativa intensa e envolvente, que lhe valeu o Book Prize of the Brazil Section of The Latin American Studies Association.

"O novo livro de Serbin é extraordinário [...] Uma bem-vinda contribuição para a história do Brasil e da Igreja católica na América Latina." - American Historical Review

Leia um trecho do livro

1. Introdução - O significado do sacerdócio

A vocação para o sacerdócio católico incorpora a mais generosa aspiração e as mais profundas contradições do ser humano. Ao longo da história, padres buscaram maior proximidade com Deus para si mesmos e para seu rebanho e se empenharam em construir uma sociedade justa. Para os católicos, o padre é o caminho da salvação. Para os não-católicos, ele simboliza a proeminência da Igreja como instituição religiosa, política e social. Os padres possuem a capacidade especial de "ter uma visão construtiva da natureza do homem", escreveu o padre sociólogo Andrew Greeley. Educados em uma tradição que remonta aos primórdios da civilização ocidental, eles são um repositório da ética judaico-cristã. Mas em nome de Deus empreenderam algumas das mais brutais campanhas contra idéias, povos e indivíduos. Os padres devem personificar o divino embora habitem um corpo imperfeito. Exige-se que expressem a mais elevada forma de amor e que neguem os impulsos básicos do prazer sexual, do conforto e da liberdade. Essas condições unem os padres em uma misteriosa irmandade internacional. Como uma tragédia grega, a história do sacerdócio fala de temas humanos fundamentais.
Este livro é uma história social e cultural do clero no Brasil, um país vasto e intensamente religioso, formalmente a maior nação católica do mundo, mas, na realidade, um viveiro de práticas religiosas as mais diversas. Acompanharemos aqui cinco séculos de continuidade e mudança na vida do clero, com enfoque nos seminários, as escolas onde jovens, apenas do sexo masculino, isolam-se do mundo a fim de preparar-se para o ministério ordenado da Igreja católica romana. Analisaremos questões relacionadas a etnicidade, gênero, política e economia. Tão importante quanto estas é a religião, influência dominante na longa história das civilizações. Os papéis sociais dos padres e o modo como os clérigos enfrentaram as exigências de sua condição especial são os principais temas desta obra.
Minha inspiração para escrever este livro veio em 1986, quando estive no Brasil pela primeira vez e soube que Roma condenara o frade franciscano Leonardo Boff, famoso teólogo da libertação, a um ano de silêncio devido à sua polêmica crítica ao poder na Igreja. A Igreja brasileira também lamentava, na época, o assassinato do padre Jósimo Morais Tavares, morto em maio de 1986 por ter ajudado os pobres na luta contra os poderosos latifundiários da Amazônia. A descoberta da teologia da libertação e do ativismo clerical renovou minhas raízes católicas. Quando ouvi padres censurarem as iniqüidades sociais durante a primeira campanha eleitoral no Brasil pós-ditadura, pensei comigo: "É isso que a Igreja devia estar fazendo em todo lugar!". A Igreja brasileira contrastava gritantemente com a conformista Igreja americana, cuja atenção se voltava para uma classe média que, acabada a missa, corria para o estacionamento e embarcava em seu carro novo em vez de refletir sobre a renovação de sua vida com Deus. O que presenciei no Brasil levou-me a fazer da Igreja o tema de minha tese de doutorado em história da América Latina, defendida na Universidade da Califórnia em San Diego.
Iniciei minhas pesquisas no Rio de Janeiro em uma tarde amena do inverno de 1987. Fui conhecer um dos mais notáveis clérigos brasileiros, o padre Marcello de Carvalho Azevedo, intelectual jesuíta cujo influente livro sobre a fé, a cultura e as renomadas Comunidades Eclesiais de Base (CEBs) acabara de ser publicado em inglês. As CEBs emergiram na década de 1970, quando a Igreja lutava pelo fim da ditadura militar no Brasil. O padre Marcello recebeu-me com seu largo sorriso característico e, em cerca de uma hora, sem consultar anotações, esboçou verbalmente quatro possíveis temas para uma tese. Um deles, a formação de padres em seminários diocesanos, não fora estudado sistematicamente por nenhum historiador ou cientista social. "Você pode-rá prestar um grande serviço à Igreja brasileira se fizer um estudo sobre os seminários", ele me disse.
O padre Marcello acolheu-me em seu escritório no bairro de Botafogo, um dos mais interessantes microcosmos da vida brasileira moderna. Não muito distante do centro do Rio, Botafogo abrigava uma das maiores concentrações da intelectualidade latino-americana. O padre Marcello e outros pensadores influentes da Igreja progressista trabalhavam no Instituto Brasileiro de Desenvolvimento (IBRADES). Essa instituição era composta por um influente grupo jesuíta de estudos interdisciplinares que formara toda uma geração de militantes católicos. Em 1970 agentes do regime militar haviam invadido o IBRADES, um ato que quase levou à ruptura da histórica relação entre Igreja e Estado. A poucos passos situava-se o Instituto Brasileiro de Análises Sociais e Econômicas, onde pesquisadores chefiados pelo ex-militante católico Herbert de Souza (Betinho) organizaram um movimento nacional de combate à pobreza na década de 1990. Após as apresentações formais, o padre Marcello e eu fizemos uma rápida caminhada pela rua São Clemente. Outrora ornada com elegantes residências da nobreza imperial brasileira do século XIX, época em que Botafogo era uma idílica periferia da cidade, essa rua hoje fervilha de carros, pedestres e consumidores, muitos deles moradores de prédios. A alguns metros na mesma rua encontramos o centro cultural conhecido como Casa de Rui Barbosa, onde morara o grande jurista, acadêmico, estadista e abolicionista brasileiro. Fernando Henrique Cardoso, o sociólogo mundialmente renomado e presidente do Brasil de 1995 a 2003, cresceu em Botafogo. O padre Marcello indicou-me o Colégio Santo Inácio, escola preparatória jesuíta que educou muitos membros da elite masculina do Brasil.Mais à frente encontrava-se o Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro (IUPERJ), fundado por Candido Mendes, o brilhante bisneto do senador que defendeu a Igreja contra a intrusão do Estado na década de 1870. O IUPERJ localizava-se no centro de Botafogo, na rua da Matriz, que liga a São Clemente a outra principal via do bairro. Uma igreja de pedra assoma impassível no fim da rua da Matriz, e quem se vira para o lado da São Clemente vê os morros e o Corcovado, onde a estátua do Cristo Redentor abre os braços num gesto benevolente mas distante para o povo do Rio.
A vida sofre drástica mudança na encosta do morro, precariamente ocupado pela favela Dona Marta. A comunidade, que seus moradores chamam de Santa Marta, nome cunhado por um padre jesuíta, ganhou na década de 1980 em todo o país a péssima reputação de ser um antro dos narcotraficantes e seus capangas. Em 1996 tornou-se um símbolo da violência e das tensões entre o Primeiro e o Terceiro Mundo quando o cantor Michael Jackson e o produtor de cinema Spike Lee filmaram no local um polêmico videoclipe. Alguns políticos brasileiros opuseram-se às filmagens, e Lee teve de pagar ao chefão do tráfico para poder trabalhar em segurança. Nesse mesmo ano o diretor brasileiro Murilo Salles fez um aclamado e trágico filme baseado nas crianças dessa favela, intitulado Como nascem os anjos. Aliando o refinamento cosmopolita à luta de classes, Botafogo e Santa Marta refletem as contradições do subdesenvolvimento pós-moderno.
O padre Marcello atribuiu essa situação à opressão estrangeira. Apontou para os ônibus barulhentos que subiam a São Clemente arrotando diesel poluente. A classe média evitava andar neles. Não passavam de caminhões de transporte adaptados, com bancos desconfortáveis e uma catraca rudimentar e ruidosa. Pareciam destinar-se ao transporte de animais. Os moradores da Santa Marta resignavam-se a passar a vida viajando naqueles veículos de casa para o trabalho. "Veja o que as multinacionais fazem aqui no Brasil", disse o padre Marcello. "Deixam sua pior tecnologia para os países pobres."
Nosso encontro resolveu algumas de minhas questões principais. O padre Marcello não só me ajudou a tomar uma decisão fundamental para minha carreira, mas, além disso, me incumbiu de uma importante missão. No Brasil a Igreja realmente era importante e, a julgar por indivíduos como o padre Marcello, parecia verdadeiramente se preocupar com o povo.Meu trabalho seria muito mais do que um exercício acadêmico. Eu me aventuraria pela fé, pela política e pela luta em prol da mudança social.
Mas um estudo dos seminários teria de abordar mais do que as preocupações predominantemente políticas expressas na maioria dos textos sobre a Igreja católica latino-americana contemporânea. Em meu contato com o padre Marcello eu já observara que a vida do clero brasileiro envolvia demandas complexas e às vezes contraditórias. Por exemplo, ele pertencia ao clero religioso (ou regular). Esses padres são agrupados em ordens, podem servir em qualquer parte do mundo e atuam subordinados a um bispo apenas se servirem formalmente em uma diocese, a principal divisão territorial da Igreja. No entanto, o padre Marcello recomendou que eu estudasse os padres diocesanos (ou seculares), que geralmente passam toda a carreira subordinados ao bispo local. De início, decidi concentrar-me apenas na formação dos padres diocesanos. Mas no Brasil os jesuítas e outras ordens haviam assumido boa parte da responsabilidade pela formação dos padres diocesanos. Surgiram rivalidades entre os padres religiosos e seculares, e também entre as várias ordens que vieram da Europa para o Brasil. Em especial, emergiram tensões em torno das linhas de identidade nacional. Por isso, meu estudo expandiu-se para incluir uma pesquisa sobre os religiosos. Foi além dos seminários e buscou uma visão geral do clero e de outros temas, como a religião popular e a estrutura da Igreja institucional. Embora a princípio eu pensasse em analisar apenas o período pós-Segunda Guerra Mundial, logo ficou claro que não seria possível explicar os seminários sem retornar à era colonial.
As dificuldades dos padres com o celibato tornaram-se parte inevitável de minhas pesquisas. Descobri o lado pessoal das coisas quando procurava pelo núcleo da teologia da libertação entre os padres militantes da Baixada Fluminense, o tórrido e apinhado complexo de subúrbios operários do Rio de Janeiro. Escrevendo sobre esses homens, e às vezes até ajudando-os, vi como eles mergulharam nas disputas políticas do novo regime democrático brasileiro e por isso foram vitimados pela opressão de burocratas da Igreja, ameaçaram o conforto pecuniário de seus inimigos clericais e contestaram o modelo clássico de sacerdócio.
[...]

UM LANÇAMENTO DA

publicado por o editor às 15:06
link do post | comentar | favorito
1 comentário:
De credit card a 10 de Agosto de 2009 às 06:23
I am fully agree with this post because in this post I got much unique information thanks for sharing.


Comentar post

.tags

. todas as tags

.arquivos

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

.FALE COM A GENTE


.subscrever feeds