Sexta-feira, 24 de Fevereiro de 2012

Lotte & Zweig de Deonísio da Silva

 






Lotte & Zweig
de
Deonísio da Silva

Páginas: 128


“Noite de 22 de fevereiro de 1942. Há um automóvel estacionado na quadra próxima ao bangalô onde vive o casal que vai morrer. O homem e a mulher estão com sono. Mas será que vão dormir? Nos últimos rádios ligados, já em volume mais baixo, predominam comentários sobre o carnaval que acabou há poucos dias.”
(...)
“Meu querido Stefan é amado pelo mundo inteiro. Todos gostam dele. Menos os nazistas, é claro! Mas esses não gostam de ninguém, nem deles mesmos.O que vão dizer? Eles controlam até a memória dos mortos. Todos falarão de Stefan Zweig, mas de mim, que o amei, que a ele dediquei meus verdes e mais quentes anos, de mim ninguém falará. Tratarão da morte de meu amado como se ele tivesse morrido sozinho num quarto em Petrópolis. Da moça abraçada a seu cadáver, cadáver ela também, ninguém dirá nada!”
Afinal, o que ocorreu naquela noite? O romance Lotte & Zweig revive uma das mais tocantes tragédias fomentadas pelo terror nazista em noite sem testemunhas. Deonísio da Silva, grande escultor de personagens femininas, desta vez dá voz a Lotte, que morreu ao lado do marido, talvez num pacto sinistro ou assassinada também.

O AUTOR
Deonísio da Silva
Ele se diz jardineiro e botânico das palavras. Publicou sete romances, várias coletâneas de contos, de ensaios e livros infantojuvenis, num total de 33 obras. Seu livro de estreia, Exposição de motivos, foi levado à televisão por Antunes Filho, em teleteatro, e recebeu do Ministério da Educação o prêmio de melhor livro do ano (1976). Desde então, é crescente o reconhecimento pela importância de sua obra: além do Prêmio Internacional Casa de las Américas pelo romance Avante, soldados: para trás ( 1992), em júri presidido por José Saramago, foi também laureado pela Biblioteca Nacional, pelo romance Teresa D’Ávila: namorada de Jesus (1997 ), já adaptado para o teatro. É ainda autor de obras de referência, como De onde vêm as palavras e Nos bastidores da censura. Doutor em Letras pela USP, é professor titular e pró-reitor de Cultura e Extensão da Universidade Estácio de Sá, no Rio de Janeiro.


Stefan Zweig escreveu muitas cartas para seus entes queridos antes de cometer suicídio: Os mais conhecidos são aqueles que se dedicam ao país que o viu morrer Brasil, e outro dirigido ao seu Friderike primeira esposa.

Caro Friderike,

quando você receber esta carta, será muito melhor. Em Ossining me viu melhor e mais calmo, mas minha depressão piorou, eu me sinto tão ruim que não consigo me concentrar no meu trabalho.

Depois, há a certeza triste - o único que temos - que esta guerra é para durar anos e ainda ser muito antes de poderem retornar à nossa casa. Eu certamente aproveitar a sua estadia em Petrópolis, mas eu sinto falta dos livros, que são indispensáveis ​​para mim pelo meu trabalho. Quanto à solidão, que inicialmente forneceu um notável apaziguamento tornou-se um lamento ... Também a idéia de que a minha obra maior, Balzac, que nunca pode acabar pois tenho a perspectiva de dois anos de trabalho ininterrupto, e os livros necessários para a documentação seria difícil de conseguir. E finalmente há a guerra, esta guerra que nunca acaba, que ainda não atingiu seu pior. Sou muito fraco para suportar tudo isso, ea Lotte pobres não tem tido mais fácil comigo, especialmente desde que sua saúde deteriorou-se tão bem.

Você tem seus filhos e, portanto, uma tarefa na vida, você tem vários interesses, inabalável energia. Estou confiante de que melhores tempos se vive uma vez e você vai entender por que o meu pessimismo me impediu mais. Escrevo estas linhas em minhas últimas horas. Você não pode imaginar como eu me sinto aliviado desde que eu tomei esta decisão. Dê aos seus filhos boas lembranças para mim e não sofrer, lembre-se sempre como eu admirava Joseph Roth ou Rieger que soube evitar o sofrimento.

Tenha coragem, agora você sabe que eu sou calmo e feliz.

Com meu carinho e amizade,

Stefan

LANÇAMENTO DA

 

 






publicado por o editor às 16:00
link | comentar | favorito

.tags

. todas as tags

.arquivos

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

.subscrever feeds