Quinta-feira, 27 de Novembro de 2008

Seminário de Patrimônio Imaterial mostra hip-hop em terra de polaco



Um dos documentários em lançamento na segunda edição do Seminário de Patrimônio Imaterial registra o movimento hip-hop em Curitiba.


 

Na programação do II Seminário de Patrimônio Imaterial, promovido pela Fundação Cultural de Curitiba, um dos destaques é o lançamento do documentário Hip-hop em terra de polaco, às 15h deste sábado (29), no Memorial de Curitiba. A obra é resultado do trabalho de uma reduzidíssima equipe de cinema que, nos meses de maio a outubro deste ano percorreu os bairros de Curitiba e cidades da região metropolitana à procura dos hip-hoppers, que de certa forma influenciam a vida das comunidades onde vivem.

Contando com uma verba do Prêmio Culturas Populares 2007 – Mestre Duda 100 Anos de Frevo, do Ministério da Cultura, o grupo saiu a campo. Hip-hop em terra de polaco, com 40 minutos de duração, foi produzido pela antropóloga Conceição Aparecida dos Santos, pelo cineasta Nivaldo Lopes, o Palito, com edição de Rafael Lopes de Lima e Silva, e por Ozanam Aparecido de Souza, que coordenou os trabalhos. O documentário mostra que o movimento surgido nos Estados Unidos e adaptado à realidade brasileira tem vida própria em Curitiba, cidade que abriga 153 grupos. “São várias as lideranças que atuam e operam nas comunidades”, diz a antropóloga.

Uma das características dos hip-hoppers é a ação voltada a projetos sociais dentro das comunidades onde vivem. Os curitibanos seguem a mesma linha e têm por referência o movimento em São Paulo e Brasília. O hip-hop estende-se por todo o país e acabou se agrupando em cinco frentes nacionais, ou seja, organizações representativas que se ramificam em comunidades. Ele chegou a Curitiba em 1984, por meio do break.

É praticamente um universo à parte que movimenta a periferia. Registrar esse mundo não foi tarefa das mais fáceis, principalmente pela postura dos hoppers que têm por princípio jamais se aproximar de quem é de fora da tribo. Portanto, câmara de vídeo, pior ainda. Mas, como a verba reduzida não permitiu criar uma equipe completa para as filmagens, isso de certa forma ajudou a quebrar barreiras.

O cineasta Palito, em alguns momentos, trabalhou com o que tinha em mãos, até máquina amadora. “Eu chegava fazendo a documentação”, conta. A antropóloga Conceição dos Santos comenta: “Queria que fosse um trabalho em que as pessoas se sentissem bem tratadas, porque são pessoas com resistência ao Estado. Acredito que conseguimos a confiança delas.” Ozanam explica que desde o princípio houve a preocupação de que esses jovens se reconhecessem no documentário e fossem eles os protagonistas da história.

As imagens mostram uma realidade que a classe média não imagina. Por exemplo, em Piraquara, na Região Metropolitana, há um espaço onde montaram uma biblioteca, uma ilha de informática (utilizando as peças de vários computadores para criar um) e até máquinas de costura. Envolvidos com a tecnologia mais avançada, têm como ferramentas de comunicação a internet, o Orkut, MSN, além da gravação de CDs, que editam e vendem de mão em mão, ou pela internet. Ciosos da mensagem que transmitem, e da imagem que representam, os líderes condenam as drogas.



Serviço: II Seminário do Patrimônio Imaterial, promovido pela Fundação Cultural de Curitiba Lançamento do documentário Hip-hop em terra de polaco, de Conceição Aparecida dos Santos, Nivaldo Lopes (Palito), Ozanam A. de Souza e Rafael Lopes de Lima e Silva. Data e horário: 29 de novembro de 2008 (sábado), às 15h Local: Teatro Londrina do Memorial de Curitiba (Rua Claudino dos Santos, 79 – Setor Histórico) Entrada franca

publicado por o editor às 11:50
link | comentar | favorito
1 comentário:
De amanda a 28 de Novembro de 2008 às 13:44
registro: não são os jovens quem têm resistência ao estado, mas muito anteriormente, o estado é que tem resitência à periferia em geral. esse deveria ser o ponto de partida. a prova concreta é o acesso ao crédito para executar um doc protagonizado por pessoas que não moram/convivem com a realidade da periferia.


Comentar post

.tags

. todas as tags

.arquivos

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

.subscrever feeds