Sábado, 30 de Novembro de 2013

Videobrasil tem sessões ao ar livre

 



Open Air - Vídeos no Deck

Programas de vídeo da mostra do 18º Festival são exibidos à noite, em sessões ao ar livre, no Deck do Sesc Pompeia



Três vídeos premiados na mostra competitiva Panoramas do Sul voltam a ser exibidos ao público, junto a outros 15 trabalhos de 12 países, selecionados pela curadoria da 18ª edição do Festival de Arte Contemporânea Sesc_Videobrasil. Desta vez, ao invés da sala escura de cinema do CineSesc, onde foram exibidas de 07 a 14 de novembro, as obras são apresentadas ao ar livre, no Deck do Sesc Pompeia, de 27 de novembro a 21 de dezembro de 2013, sempre às 20h.



Os vídeos da mostra competitiva Panoramas do Sul foram agrupados em oito programas por aproximações, estratégias ou temáticas.  Ao todo, são 8 obras produzidas por artistas de países como Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, Hungria, Israel, Líbano, Lituânia, Mali, México, Nova Zelândia e Peru. As obras selecionadas constroem narrativas que relacionam assuntos referentes à contemporaneidade, sugerindo o rompimento entre fronteiras, a partir do momento em que as obras, de uma grande diversidade de nacionalidades, alcançam e constroem relações com discursos presentes em outros territórios.



Três destas obras foram premiadas nesta 18ª edição. São elas: Doméstica, 2012, assinada pelo brasileiro Gabriel Mascaro (Prêmio de residência Wexner, no Wexner Center for the Arts , em Columbus, EUA); Journey to a Land Otherwise Known, 2011 (Prêmio de residência Resartis, na Arquetopia, em Oaxaca, México), da artista colombiana Laura Huertas Millan; e The Sun Glows Over the Mountains, 2012 (Prêmio de residência China Art Foundation, na Red Gate Gallery, em Beijing, China), da artista israelense Nurit Sharett. Também receberam menções honrosas duas obras dos programas de vídeo: Rabeca, 2013, do artista brasileiro Caetano Dias, e Brisas, 2008, do chileno Enrique Ramirez.





AGENDA

OPEN AIR | PROGRAMAS DE VIDEO | PANORAMAS DO SUL



NOVEMBRO

29 NOV, sexta

20h, Sesc Pompéia: : Programas 5 e 6 OPEN AIR / Panoramas do Sul / Programas de vídeo



30 NOV, sábado

20h, Sesc Pompéia: : Programas 7 e 8 OPEN AIR / Panoramas do Sul / Programas de vídeo



DEZEMBRO

4 DEZ, quarta

20h, Sesc Pompéia: : Programas 1 e 2 OPEN AIR / Panoramas do Sul / Programas de vídeo



5 DEZ, quinta

20h, Sesc Pompéia: : Programas 3 e 4 OPEN AIR / Panoramas do Sul / Programas de vídeo



6 DEZ, sexta

20h, Sesc Pompéia: : Programas 5 e 6 OPEN AIR / Panoramas do Sul / Programas de vídeo



7 DEZ, sábado

20h, Sesc Pompéia: : Programas 7 e 8 OPEN AIR / Panoramas do Sul / Programas de vídeo



11 DEZ, quarta

20h, Sesc Pompéia: : Programas 1 e 2 OPEN AIR / Panoramas do Sul / Programas de vídeo



12 DEZ, quinta

20h, Sesc Pompéia: : Programas 3 e 4 OPEN AIR / Panoramas do Sul / Programas de vídeo



13 DEZ, sexta

20h, Sesc Pompéia: : Programas 5 e 6 OPEN AIR / Panoramas do Sul / Programas de vídeo



14 DEZ, sábado

20h, Sesc Pompéia: : Programas 7 e 8 OPEN AIR / Panoramas do Sul / Programas de vídeo



18 DEZ, quarta

20h, Sesc Pompéia: : Programas 1 e 2 OPEN AIR / Panoramas do Sul / Programas de vídeo



19 DEZ, quinta

20h, Sesc Pompéia: : Programas 3 e 4 OPEN AIR / Panoramas do Sul / Programas de vídeo



20 DEZ, sexta

20h, Sesc Pompéia: : Programas 5 e 6 OPEN AIR / Panoramas do Sul / Programas de vídeo



21 DEZ, sábado

20h, Sesc Pompéia: : Programas 7 e 8 OPEN AIR / Panoramas do Sul / Programas de vídeo




Confira abaixo os vídeos que integram os programas e consulte a agenda do Festival para organizar suas sessões.



PROGRAMA 1 | História, regresso e pertencimento
Father’s Footsteps, Vygandas Simbelis, 4’54’’
The Sun Glows over the Mountains, Nurit Sharett, 53’08’’ [obra premiada]
São constantes e dinâmicas as formas como a arte aborda a história, tecendo novas costuras e promovendo leituras sincrônicas dos fatos sociais. Por meio de um exercício de caráter político, os artistas constroem percepções intimistas e afetivas das narrativas instituídas a partir das mais diversas micro-histórias. Os filmes deste conjunto subvertem cânones religiosos e étnicos alinhados ao controle político e ideológico das maneiras de contar a história. É por meio do regresso físico ou simbólico e da noção de pertença que essas narrativas cinematográficas se formam.



PROGRAMA 2 | A experiência do espaço humano
Des deux côtes, Andrew de Freitas, 3’58”
Cuculí, Daniel Jacoby, 11’32”
Hidden Cities, Gusztáv Hámos, 27’
Reorientar a percepção do espaço sem recorrer à exatidão das convenções de medição e registro coloca-se como argumento na produção audiovisual contemporânea. Valendo-se de recursos literários, visuais e cognitivos, esses artistas se apropriam de figuras de linguagem nas representações de suas vivências espaciais, remetendo-se aos mais diversos contextos urbanos. Essas novas narrativas nos entregam cidades particulares, que só ganham existência na experiência do outro, daquele que relata.



PROGRAMA 3 | Consciência política e experiência sensível
Brisas, Enrique Ramírez, 13’ [menção honrosa]
The Night of the Moon Has Many Hours, Mauricio Arango 12’
Cordis, Roberto Bellini, 15’
A apreensão de paisagens específicas e a compreensão simbólica de determinados contextos sociais perpassam a tessitura de leituras – tanto afetivas quanto políticas – de realidades históricas e geográficas constituídas. De observações no campo da experiência sensível surgem ficções que deixam transparecer olhares agudos sobre temas característicos da cultura latino-americana, seja urbana ou interiorana. O que diferencia esses trabalhos é a forma como abordam o tempo, tanto pela reflexão histórica quanto pela ação da câmera, levando em conta as especificidades de cada lugar ou situação para os quais voltam o olhar.



PROGRAMA 4 | Imersões no espaço sociocultural brasileiro
Rabeca, Caetano Dias, 71’ [menção honrosa]
Por meio de processos distintos, é perceptível o interesse dos artistas contemporâneos em desenvolver estratégias documentais que nos revelem aspectos dos mais sensíveis de nossa realidade sociocultural. Ao dissolver e retrabalhar questões como autoria, realidade e ficção, elas subvertem a natureza do documentário. São também investigações agudas de nossos processos históricos de formação socioeconômica, na dualidade entre o interior e as cidades. Nessa imersão, realidade e ficção se condensam numa leitura quase fantástica de tradições interioranas brasileiras. Resgata-se a memória de uma cultura imaterial em que a música, seus instrumentos (como a rabeca) e as formas de interpretação são mecanismos que a mantêm viva.



PROGRAMA 5 | Dispositivos e as construções identitárias
Mirror, Tiécoura N’Daou, 5’01’’
WYSIWYG – What You See Is What You Guess, Lucas Bambozzi, 20’
The Day You Arrived in Buenos Aires, Iván Marino / Aya Eliav, 18’
É da ordem do dia uma permanente e inquietante reinvenção dos dispositivos de produção e exibição de imagens, potencializados nos espaços urbanos. As experiências de uso desses recursos colocam o indivíduo em contato consigo mesmo, permitindo que ele responda a seu ambiente, manifestando-se a ideia de alteridade. Reconhecer-se no outro e nos seus espaços de vivência materiais e virtuais faz com que novas experiências midiáticas sejam concebidas pelos artistas. A observação imediata do que se encontra ao redor do indivíduo e das coisas cotidianas mais triviais parece ser um ponto de partida para a amplitude narrativa e midiática desses trabalhos.



PROGRAMA 6 | Ambivalências dos espaços arquitetônicos
Into Thin Air into the Ground, Haig Aivazian, 30’45’’
Lago Onega N.8, Jacinto Astiazarán, 22’30”
O espaço arquitetônico contemporâneo é de natureza ambivalente. Tal condição é aguçada pelo contexto em que se insere e, especialmente, em situações nas quais a tradição moderna ocidental reverbera de forma ambígua, por vezes tardia, por vezes precária. Observando as arquiteturas enquanto personagens, a produção em vídeo tem abordado essas figuras urbanas com intuito de nos revelar a força da mídia de massa, o domínio dos subterfúgios tecnológicos sob a racionalidade projetual e os problemas mais urgentes das cidades de hoje – espaços em que a arquitetura se apresenta como elemento de distinção e poder.



PROGRAMA 7 | Imersões no espaço sociocultural brasileiro
Doméstica, Gabriel Mascaro, 75’ [obra premiada]
Também representativa das novas estratégias documentais usadas pelos artistas para compor investigações agudas sobre nossa realidade socioeconômica, a obra tece um olhar ambíguo sobre as relações de trabalho doméstico que se consolidaram no espaço da casa brasileira, remetendo a uma cultura secular e patriarcal.



PROGRAMA 8 | Desconstrução das narrativas
Journey to a Land Otherwise Known, Laura Huertas Millán, 22’17” [obra premiada]
Vive le capital, Orit Ben-Shitrit, 15’05’’
Malleable Tracks, Gregg Smith, 22’52’’
A tradição narrativa do cinema tornou-se elemento de experimentação para as mais diversas práticas audiovisuais. Nesse programa, três maneiras distintas de construir uma narrativa põem o dado temporal em tensão e apropriam-se das referências do documentário, da dança e do cinema norte-americano e francês, respectivamente. Nos dois primeiros casos, desconstroem-se narrativas da história social, adaptando-as ao cinema. O último filme nos leva a uma história em suspenso, uma interrupção de tempo, o que metaforicamente remete ao primeiro grande tema dos programas de vídeo, estabelecendo uma leitura aberta da cultura contemporânea.



LOCAIS & COMO CHEGAR

Sesc Pompeia: Rua Clélia, 93 – Pompeia, São Paulo SP
Tel: +11 3871-7700 | facebook.com/sescpompeia
Visitação: de terça a sábado, das 9 às 22h | Domingos e feriado, das 9 às 20 h
Metrô: Linha 3 (Vermelha) - Barra Funda
CPTM: Linha 7 - Água Branca
Ônibus: Terminal Lapa (8000-10) | Terminal Lapa (875H-10) | Jd. Pery Alto (177X-10)
Veja a localização no Google Maps



Cinesesc | Rua Augusta, 2075 - Cerqueira César, São Paulo SP
Tel.: +11 3087-0500 | facebook.com/cinesescsaopaulo
Metrô: Linha 2 (Verde) - Consolação
Veja a localização no Google Maps


publicado por o editor às 23:11
link | comentar | favorito

.tags

. todas as tags

.arquivos

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

.subscrever feeds