Terça-feira, 24 de Dezembro de 2013

Festival Sesc_Videobrasil debate interação entre vídeo, cinema e artes visuais no Pivô

 

Festival Sesc_Videobrasil debate interação entre vídeo, cinema e artes visuais no Pivô
No ano em que comemora 30 anos de história, o Festival de Arte Contemporânea Sesc_Videobrasil, em sua 18ª edição, debateu na noite de quarta-feira (18/12) um dos temas mais caros à sua história: a questão da relação do vídeo com as artes visuais e o cinema no encontro “Estranhamento zero: o vídeo entre o cinema e as artes visuais”, parte da programação doFoco 6 - Reflexões em Deslocamento dos Programas Públicos do Festival, que propõe encontros que vão além dos espaços expositivos do Festival e suas temáticas.
Mediado por Eduardo de Jesus, um dos curadores do Festival, o debate teve a participação do cineasta Kiko Goifman (Olhe pra mim de novo), que participou da 10ª à 15ª edição do Festival; do artista plástico e cineasta Cao Guimarães (Andarilho), que esteve em cinco edições anteriores do Sesc_Videobrasil e com a diretora da Escola de Comunicação da UFRJ, Ivana Bentes, pesquisadora do assunto.
Para abrir o encontro, dois filmes foram projetados. Concerto para Clorofila, de Cao Guimarães, que apresenta uma sequência de paisagens naturais ao som da música instrumental que dá título ao filme, e Território Vermelho, de Kiko Goifman, feito a partir da iniciativa de deixar uma câmera na mão de pessoas que trabalham ou pedem dinheiro em semáforos. Os dois filmes foram apresentados na 15ª edição do Festival, que aconteceu em 2005.
Para Ivana Bentes, que abriu o debate, nunca houve um “estranhamento zero” entre o vídeo e as outras linguagens – cinema, TV e artes visuais –, que acabavam por marginalizá-lo, ao mesmo tempo em que ele criava uma linguagem própria e se apropriava de outras, como as artes plásticas. “No vídeo do Kiko (exibido antes do debate), estão incorporadas várias outras linguagens. Grupos distintos se apropriam de uma linguagem”, afirmou. “A força da imagem faz com que ela seja apropriada e revirada. Os vídeos produzidos pela Mídia Ninja fazem uma apropriação selvagem da imagem. Eles descobrem a estética colocando o corpo na rua, neste estado de urgência.”
Cao Guimarães vê “o vídeo como uma ferramenta de captura de imagem em movimento como a película e o Super 8”. Para ele, a função do vídeo hoje à do folhetim no século 19, que é a de narrar a vida cotidiana. Na época em que essa linguagem começou a se estabelecer, porém, nos anos 1980, o vídeo foi uma maneira de quebrar paradigmas da linguagem do cinema, trazendo de volta, por exemplo, o espaço para tela. “O cinema é uma arte do tempo, é uma arte em que o espaço foi eliminado por inteiro”, disse. “O vídeo foi meu cinema nao só por oider fzer planos longuissimos, deixar o fluxo da vida entrar, como trouxe a ideia de espacialidade de volta para o cinema.”
Além disso, segundo Cao, o vídeo foi uma oportunidade para aqueles que desejavam trabalhar com cinema e imagem poderem trabalhar, por conta de seus custos menores. “Não tinha como fazer cinema, o vídeo foi um meio.”
Foi essa dificuldade de se aproximar do cinema, mesmo porque os distribuidores não exibiam nem se interessavam pela video-arte, que a sua obra se aproximou das artes plásticas, sendo exibida em galerias, e que o próprio vídeo se aproximou das artes plásticas. “Se a gente pega a vídeo-arte nos anos 1980 a quantidade de metáforas que havia, o infinito, a imagem rebobinada, a gente vê que é a descoberta de uma linguagem”, afirmou. “Mas não vejo estranhamento zero (entre as linguagens). Vejo estranhamento máximo.”
Kiko Goifman, que já participou de seis edições do Videobrasil, falou da importância do festival em sua carreira. “Essa ideia do punk sempre norteou minha vida. Do it yourself (faça você mesmo)”, contou. “O cinema é careta historicamente, comercial, problemático. O Videobrasil foi um lugar em que vi muitas inovações e que possibilitou que eu produzisse também” e lembrou que nos anos 1980, quem fazia vídeo era mal visto por quem trabalhava no cinema. “Quem fazia vídeo era a escória da escória.”
Criadora e curadora-geral do Festival, que foi o meio de acesso para toda produção em vídeo que se fazia nos anos 1980, Solange Farkas afirmou que a vídeo-arte, naquele momento passou por um momento de afirmação. “Hoje nao tem mais isso. O vídeo era rechaçado pelos dois pólos em que ele deveria estar, tanto o cinema quanto a TV”, contou.
No final da mesa, Ivana Bentes lançou uma questão. “Onde se dá o estranhamento máximo hoje? A gente está num mundo de conflito. Os artistas não estão nas ruas, a rua não está na galeria”, afirma.
Todos os presentes concordaram, porém, que os limites entre o cinema, artes visuais e vídeo estão cada vez mais diluídos, assim como os conceitos de arte e artista.
tags: ,
publicado por o editor às 21:00
link | comentar | favorito

.tags

. todas as tags

.arquivos

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

.subscrever feeds