Quarta-feira, 2 de Julho de 2008

Diálogos criativos




Diálogos criativos
de Domenico De Masi e Frei Betto

 

"Hoje respiramos uma cultura em que o produto, a mercadoria, é fonte de valor humano. Este é o grande desafio: como a educação pode inverter esse processo? E isso com todas as conseqüências no plano político. O que o poder busca hoje? A felicidade geral do planeta ou o incremento da acumulação de riquezas? Dito assim sumariamente, são valores incompatíveis."

(Frei Betto)

"Segundo Frei Betto, Deus criou o homem por um ato de infinita bondade; segundo minha concepção, o homem inventou Deus por um esforço de infinita esperança."

(Domenico De Masi)

Num inusitado e prazeroso encontro, Domenico De Massi e Frei Betto debatem sobre alguns dos temas mais importantes da pós-modernidade: do avanço tecnológico à sociedade de consumo, da educação à filosofia, da teologia à política.

Com pontos de vista ora coincidentes, ora conflitantes, mas muitas vezes complementares, ambos oferecem uma explanação sobre os rumos da humanidade, questionando de que forma as escolhas do presente estão construindo o amanhã que se anuncia.

Mediado pelo psicanalista e educador José Ernesto Bologna, esses diálogos representam mais do que um olhar sociológico sobre a nossa sociedade. São um tratado humanístico simples e acessível, valioso para todos aqueles que se preocupam com os rumos da educação, da cultura e da política de nosso tempo.

Recorrendo ao vasto conhecimento histórico, à reflexão filosófica, à dialética teosófica e ao pensamento crítico, essa apaixonante e apaixonada discussão constrói e destrói conceitos na melhor tradição socrática.

De um lado, um grande sociólogo, laico, de erudição assombrosa, que apresenta o melhor da tradição intelectual européia. De outro, uma alma brasileira por excelência, educador, teólogo, político e apaixonado pelo povo.

O resultado, Diálogos criativos, instiga nossa inteligência, estimula nossa curiosidade e aguça nossa percepção sobre algumas dos mais fundamentais temas da sociedade atual.

***

"Em quais valores se deve inspirar a escola da sociedade pós-industrial? Na minha opinião, o primeiro valor é o do humanismo: instilar nos jovens a sensação de que ser homem é uma coisa fundamental no universo; de que ser humano é um privilégio extraordinário; de que a consistência do ser humano é de tal grandiosidade que cada um de nós tem a sim mesmo como patrimônio para valorizar e multiplicar. O segundo valor é que é sempre o jovem que determina seu próprio destino, que decide se aprende, compreende ou rejeita. O terceiro valor é que o nosso futuro deve ser preparado desde hoje; o presente é o amanhã."

Domenico De Masi





A velocidade da produção do conhecimento combinada com a multiplicação jamais vista – e só imaginada no passado em obras de ficção científica – dos meios de difusão de dados abalou a estrutura escolar. Perdeu significado e, em especial, eficiência, a escola que administra testes baseados em currículos, supostamente medidores de aprendizado.

O bom profissional – e portanto o bom aluno – é aquele que sabe gerir pensamentos e conhecimento, adaptando-os às suas necessidades.

Exige-se de todos, a cada ano, uma espécie de planejamento estratégico: qualquer espaço é convertido, assim, em núcleo de aprendizado. Escola e empresa dinamitam seus limites; assim como desaparecem os limites entre o fazer e o saber, entre quem trabalha e quem estuda.

Até pouco tempo, a aprendizagem permanente era uma característica de uma elite intelectual imersa na pesquisa; essa excelência democratizou-se, tornou-se obrigação de qualquer uma em uma sociedade contemporânea.

O novo aluno – e, portanto, o novo profissional – deve saber como lidar com o presente para manejar o futuro e aprender com o passado. Viver é a maior escola.

Essas modificações exigem um repensar profundo das relações dos indivíduos com o trabalho, a cultura, a tecnologia e o lazer.

Que tipo de educação serve para essa sociedade? Essa é a questão central deste fértil e provocativo diálogo entre Domenico De Masi e Frei Betto, um encontro inusitado, rico de sugestões e contradições, em que se vê que, sem um debate filosófico – mais do que pedagógico – a escolha será uma fábrica de inutilidades.

Gilberto Dimenstein

Um lançamento da


 
publicado por o editor às 13:08
link | comentar | favorito

.tags

. todas as tags

.arquivos

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

.subscrever feeds