Quinta-feira, 10 de Julho de 2008

Na última mesa da FLIP 2008, escritores lêem trechos de obras marcantes


Com oito dos mais destacados autores desta FLIP sentados no palco, em semicírculo, e o público já em clima de saudade antecipada, a idealizadora do evento, a inglesa Liz Calder, e o diretor de programação desta edição, Flávio Moura, abriram com breves palavras a última sessão das vinte que ocorreram, ao longo de cinco dias, na enorme tenda branca montada à beira do rio. O mediador Angel Gurría-Santana, sentado em uma das pontas do arco de convidados, apenas os nomeou, sem apresentá-los, já que todos eram figuras conhecidas da platéia. Nessa última noite, como já é de praxe, cada um deles devia ler ao microfone um texto curto, ou o fragmento de uma obra maior, que considerasse referencial ou significativo.
A nigeriana Chimamanda Ngozi Adichie, radicada nos Estados Unidos, abriu a rodada de leituras com um trecho do romance The autobiography of my mother, de Jamaica Kincaid. Na seqüência, Nathan Englander, após pedir desculpas pelo acento nova-iorquino, leu o último parágrafo de um famoso conto de John Cheever, Goodbye, my brother, que descreve a cena em que duas mulheres belas, e nuas, saem do mar. Perto do final, o texto se acelera, se intensifica, e quase ganha o andamento do fluxo de consciência, técnica literária criada no início do século XX que tem pontuação mais elástica e enfatiza os estados interiores dos personagens.
Mantendo a seqüência com autores de língua inglesa, a britânica Zoë Heller leu um trecho de um livro que pegou ao acaso, na estante, “num verão chuvoso de muito tempo atrás, quando eu tinha doze anos e estava deprimida”. Por coincidência, a protagonista da história era também uma menina na mesma faixa de idade de Zoë, “ansiosa por crescer logo e se sentir livre”. O sotaque britânico se manteve na voz de Neil Gaiman. O mago dos quadrinhos também recorreu a um texto que marcou sua infância, The Thirteen Clocks, de James Thurber, que leu pela primeira vez aos sete anos e que retomou com prazer, conforme disse, muito tempo depois.
No centro do arco, Cíntia Moscovich, única representante do Brasil nesse octeto, desculpou-se por não apresentar um texto de autor nacional, que, como observou, talvez houvesse sido mais apropriado para a ocasião. Leu, em português, um longo trecho do livro De amor e trevas, do israelense Amos Oz, no qual um homem e seu filho tomam todas as providências práticas para delimitar uma diminuta área, em torno da casa, para fazer uma horta. Ao lado dela, Alessandro Baricco usou o inglês para se dirigir ao público, mas depois lançou mão de sua língua materna para ler um trecho da versão em italiano de O apanhador em campo de centeio, o clássico de J. D. Salinger. “Há quinze anos, eu me reuni com quatro pessoas mais inteligentes que eu para levarmos adiante um projeto de contar histórias em uma escola”, contou Baricco. “E na porta dessa escola está escrita a última frase desse livro.”
Voltamos à língua inglesa com Tom Stoppard. Ele selecionou três pequenos textos de um livro não muito conhecido do jovem Ernest Hemingway, In our time, publicado em 1925. Mas lá já aparecem as marcas registradas do autor: a tourada, tema recorrente em sua obra, e a linguagem sincopada, precisa, feita de frases curtas, despidas de fricotes e adjetivos, no estilo imitado por toda uma geração de escritores e jornalistas no mundo inteiro.
Para fechar a noite, o aplaudido holandês Cees Nooteboom, apontado nos últimos anos como sério candidato ao Nobel, recorreu ao texto, também na versão inglesa, da imensa obra de quatro mil páginas de Em busca do tempo perdido. “Proust estava morrendo quando escreveu isso”, explicou Nooteboom. “Mas continuava a escrever e a corrigir o que havia escrito. Essas são as últimas páginas escritas por ele. É o que vou ler agora para vocês”.
tags: ,
publicado por o editor às 01:41
link | comentar | favorito

.tags

. todas as tags

.arquivos

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

.subscrever feeds