Segunda-feira, 9 de Junho de 2014

A pedra e o tempo – Arquitetura como patrimônio cultural De Flávio de Lemos Carsalade

 

 

A pedra e o tempo – Arquitetura como patrimônio cultural
De Flávio de Lemos Carsalade 

 Português e inglês
639 páginas 

 
 

LIVRO DE PROFESSOR DA UFMG DISCUTE INTERVENÇÕES NO PATRIMÔNIO ARQUITETÔNICO, DEFENDENDO A PRESERVAÇÃO QUE RESPEITA AS TRANSFORMAÇÕES DO COTIDIANO

 Passado o tempo em que a modernidade ditava as regras e justificava demolições a torto e a direito, a ­preocupação com a preservação rege a agenda do século 21. Isso vale também para a arquitetura, a mais pública das artes, que se expõe, criando referências urbanas e itinerários. Mas é justamente esse caráter utilitário que torna a questão mais complexa, de acordo com o professor Flavio de Lemos Carsalade, da UFMG. Ele lembra que a arquitetura é feita para “propiciar a vida humana”, o que significa dizer que é necessário preservar considerando que a vida se transforma.
Interessado em discutir de forma consistente essa questão, Carsalade publica, pela Editora UFMG, a obra bilíngue A pedra e o tempo – Arquitetura como patrimônio cultural. O objetivo é entender a natureza particular da arquitetura como arte e sua missão social, e identificar formas de preservar o patrimônio sem deixar de inseri-lo na vida cotidiana. “A ideia de restauração nasceu no mundo das belas-artes, cabe bem para uma obra de arte. Quando falamos de arquitetura, trata-se de adaptar, ou seja, a intervenção é mais abrangente, modificando, sempre de forma respeitosa, para atender à vida contemporânea”, afirma o autor, que é doutor pela Universidade Federal da Bahia e dirigiu a Escola de Arquitetura da UFMG de 2008 e 2012.
A chave teórica de A pedra e o tempo está na fenomenologia. O autor ressalta que o homem é um ser espacial e que sua percepção de estar no mundo é centrada na sua condição psicofísica. “Procurei relacionar a arquitetura, que é uma ciência do espaço, com a condição humana, e a partir dessa relação é possível extrair uma série de possibilidades de interação do homem com a obra arquitetônica”, explica Carsalade, que articula ideias de autores como Heidegger, Merleau-Ponty, Norberg-Schulz – que desenvolveu o conceito de “arquitetura existencial” – e Cesare Brandi. 
A matriz fenomenológica é referência também para a pesquisa de campo, que privilegiou intervenções recentes e significativas, especialmente em Minas Gerais. Carsalade comenta, em seu texto, que os pareceres dos órgãos de patrimônio revelam “alternância de ‘critérios’ para análise”, além de “diversidade muitas vezes inconsistente de formas de intervenção, mostrando como, muitas vezes, o (re)desenho da obra não se sustenta conceitualmente”. 

QUESTÃO GLOBAL

Flavio Carsalade sente falta de uma teoria mais aplicada à arquitetura, que incorpore uma realidade em transformação e possibilite maior clareza. Segundo ele, a obra é voltada para arquitetos e leitores do mundo da cultura, mas a aplicação de seus conceitos pode ser compreendida de forma mais ampla. A opção pela versão em inglês respeita o fato de que se trata de uma questão global e é preciso atingir a comunidade científica internacional, além de que há pesquisas em andamento em parceria com universidades estrangeiras.
Repleto de exemplos concretos, o livro ressalta a importância de se considerar a preexistência espacial e temporal. Carsalade faz um “ensaio” de retirar do conjunto Sulacap/Sul América, na avenida Afonso Pena, em Belo Horizonte, o anexo construído nos anos 1970, devolvendo ao conjunto original dos anos 40 o contato físico e visual com o Viaduto de Santa Teresa. Em outro momento, ele compara as primeiras iniciativas de preservação do Pelourinho, em Salvador, e do Corredor Cultural do Rio de Janeiro. O primeiro, segundo o autor, foi tratado como um cenário, sem preocupação com a solução de problemas sociais e habitacionais. Em detrimento de aspectos construtivos, históricos e mesmo estéticos, privilegiou-se a imagem. Não houve negociação, e, junto com a população original, levou-se “um pouco da alma do lugar”. No caso carioca, ao contrário, a estratégia foi flexível, baseada na diversidade de soluções, buscando conservar sem o rigor do restauro, “na tentativa de manter no local a sua dimensão imaterial – o lugar do comércio, a sua vida intensa e uma imagem de história em transformação”.
Com a experiência de gestor público – administrou a Regional Pampulha, em Belo Horizonte, e foi presidente do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas – aliada à de pesquisador, Carsalade defende que a intervenção no patrimônio arquitetônico e urbanístico procure a correspondência entre aspectos como estética, memória e uso. “A arquitetura cria significado. A partir de certo ponto, a interferência pode esgarçar esse significado. Esse é o limite da intervenção”, conclui Carsalade. 

 

POR

Itamar Rigueira Jr. 
 
 
LANÇAMENTO DA
 


  

 

publicado por o editor às 00:44
link | comentar | favorito

.tags

. todas as tags

.arquivos

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

.subscrever feeds