Sexta-feira, 28 de Agosto de 2015

Confiança do empresário e do consumidor volta a cair e sepulta discurso pró-ajuste

 

 

Os índices de confiança do empresário e do consumidor brasileiro apresentaram recuo no mês de agosto, após a confiança da indústria ter registrado uma pequena alta no mês anterior. Segundo dados divulgados nesta manhã pela FGV, o Índice de Confiança da Indústria (ICI) recuou 1,6% no mês de agosto, revertendo a alta de julho e acumulando queda de 17,9% na comparação com o mesmo mês do ano anterior. Com esta queda, o nível de confiança do empresário industrial se reduziu para 68 pontos (onde qualquer valor abaixo de 100 indica retração), a mínima histórica em 10 anos. Tanto o Índice de Situação Atual (ISA) quanto o Índice de Expectativas (IE) apresentaram queda de 1,6%, mostrando que a percepção dos empresários sobre o presente e o futuro segue se deteriorando conjuntamente. Ontem, a FGV divulgou sondagem que mede a confiança do consumidor brasileiro, que também apresentou recuo de 1,7% na passagem de julho para agosto, somando queda de 21,6% na comparação com agosto/2014. No caso dos consumidores, a piora da percepção se concentrou no IE, mostrando que o brasileiro está crescentemente desconfiado com o futuro da economia.

Comentário: As seguidas quedas nos índices de confiança da indústria, dos serviços e dos consumidores sepultam de maneira definitiva a expectativa de que, com a implementação do ajuste fiscal, os empresários voltariam a confiar na economia brasileira, elevando os investimentos e aumentando o emprego e renda dos trabalhadores. Na realidade, o que pode se notar a partir dos dados é que, uma vez anunciado e implementado o ajuste recessivo, a confiança dos empresários desabou, levando junto consigo os empregos e, consequentemente, a confiança dos consumidores. A estratégia austericida imposta a uma série de países europeus para supostamente sair da crise, mas que na realidade os afundou em uma recessão sem fim, parece estar sendo adotada voluntariamente pelas autoridades econômicas brasileiras, em uma demonstração de absoluta desconexão com o avanço do debate internacional acerca das estratégias de retomada do crescimento. Enquanto instituições internacionais como FMI, Banco Mundial e até mesmo as conservadoras autoridades econômicas europeias discutem mecanismos de superação da recessão baseados em aumento dos investimentos públicos e políticas monetárias pouco ortodoxas, o Brasil segue lendo a cartilha pré-crise, se agarrando desesperadamente à gestão ortodoxa do antigo tripé macroeconômico. As sinalizações por parte do governo de que 2016 será marcado por cortes duros nas despesas obrigatórias (afetando diversos programas sociais), além da redução já esperada nos investimentos e gastos correntes, apenas confirma a estratégia austericida, mantida apesar de seus péssimos resultados, não tendo entregue nem o ajuste fiscal prometido, nem a recuperação da confiança e do crescimento planejados. 

 
publicado por o editor às 13:58
link | comentar | favorito

.tags

. todas as tags

.arquivos

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

.subscrever feeds