Segunda-feira, 3 de Novembro de 2014

Crônica da Urda

 

Nota de falecimento

 

 

                                   (Para Cusco Preto Schörner)

 

                                   Faz pouco mais de duas horas que ele se foi, enquanto eu e meu cachorro Atahualpa, atônitos, víamos a veterinária auscultar-lhe o coração pela última vez, desligar o oxigênio, tirar a cerquinha que o protegia. Observei que o soro já não gotejava mais, não sei se por conta de coisas da natureza ou se a moça o desligara – sei que o Cusco tinha partido assim ali na nossa frente, devagarinho, serenamente, sem nenhum alarde, e agora estou aqui chorando, ainda sem poder acreditar.

                                   Uma pessoa que não sei quem é disse que “cada cachorro que parte leva um pedaço do meu coração”, e é bem assim que me sinto, como se me faltasse um pedaço, pois Cusco era alguém tão próximo, estava tão misturado com as nossas vidas que era como se fosse nosso também e, dolorida, fiquei vendo o que Atahualpa fez quando chegamos em casa: foi lá na casa do Cusco, e farejou cada pedacinho do pequeno pátio, e da garagem, e da porta, pois eu acho que ele entendeu perfeitamente que o amigo do peito partiu.

                                   Imagino que Cusco nasceu lá pelo final de março de 2009 – sei que veio para a sua família a primeiro de maio daquele ano, e era um filhotão de pernas compridas quando o conhecemos, no mês de julho, sendo carregado no colo por aquela menina bonita que era a Monique. Como todo filhote, era bastante arrojado e queria saber tudo do mundo, e num instante descobriu que éramos seus amigos, e passou a entrar por dentre as grades da nossa varanda a qualquer momento para dar uma espiada se havia algum petisco sobrando no prato de Atahualpa, e pular, e fazer carinho, e abanar o rabo, um feixe de felicidade e energia que conquistava qualquer um que tivesse coração.

                                   Fomos vizinhos exatos 63 meses, e era um cachorro cheio de amor e de grande docilidade. Quando acontecia de ficar sozinho uma horinha, de vez em quando, chorava tanto que era de cortar o coração, mas um pouquinho de amor que fosse já o consolava. E eu ia até sua porta e o chamava:

- Cusco! Não fica triste! A mamãe já volta! – e eu podia ouvi-lo cheirando por sob a porta, como quem diz:

- Ok, vou esperar. Confio em ti! – e nos entendíamos tão bem que agora fica difícil pensar em como vai ser a vida sem a existência dele.

                                   Faz dois dias que, ao sair pelos fundos da sua garagem para fazer xixi na beirada da floresta que há aqui, cachorros estranhos o pegaram e o deixaram em petição de miséria, de tal forma que não resistiu aos ferimentos.

                                   A gente, no entanto, sempre espera pelo melhor, e foi com a sensação de que ele iria nos receber abanando o rabo que fui, com Atahualpa, fazer-lhe a visitinha de há pouco. Foi muito traumático chegar ao hospitalzinho e ver o estado dele. Não nos viu, não nos cheirou, já não abanaria mais o rabo. Esperamos ali, sem querer acreditar que ele estava tão mal, e ali estávamos quando ele se foi.

                                   Ainda não falei com sua família, que deve estar pior do que eu estou, e nem sei o que dizer quando a gente se encontrar. Talvez só lhes diga a parte que sei: que o Cusco não está mais entre nós porque se foi para as Campinas Verdejantes, onde vai ter toda a liberdade que quiser e ser feliz para sempre. Bem na horinha em que a veterinário tirou-lhe o oxigênio eu percebi lá fora, mesmo sendo dia nublado, como aparecia um arco-íris para guiá-lo até àquele lugar abençoado para onde vão os bons cachorros.

                                   Que tenhas feito boa viagem, Cusco! Tiveste uma família que te amou muito, outras pessoas, como eu, que só queriam a tua felicidade; eras amigo de gentes, gatos e cachorros; foste personagem de dois livros e deixas muita, muita saudade, tanta, que não sei o que fazer para parar de chorar.

                                   Blumenau, 01 de novembro de 2014.

 

                                   Urda Alice Klueger

                                   Escritora, historiadora e doutora em Geografia.

 

publicado por o editor às 23:21
link | comentar | favorito

.tags

. todas as tags

.arquivos

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

.subscrever feeds