Quarta-feira, 1 de Outubro de 2014

Crônica da Urda CONVERSANDO COM A MINHA MÃE – SEU PIO

 

 


                                   
CONVERSANDO COM A MINHA MÃE – SEU PIO

 

                                   (Para seu Higino Pio e para Wanderley Caixe)

 

                                   Sabe, mãe? Eu tinha um amigo que se chamava Vanderley Caixe. Nunca o encontrei pessoalmente; tornamo-nos amigos através da Internet. Era um incansável lutador, vítima da última ditadura que o torturara barbaramente, advogado, poeta – tenho um livro com seus poemas na minha biblioteca. Eu acho que a mãe já tinha partido quando ele começou a publicar sistematicamente, um a cada dia, os horrores acontecidos naqueles tempos em que eu acabava de crescer, quando a ditadura militar prendeu, torturou, assassinou, sumiu com tanta gente, gente que foi carregada “num rabo de foguete”, conforme dizia a Elis, se a memória não me falha – a mãe há de lembrar da música. Depois que publicou todos os casos dos quais tinha conhecimento, ele os reuniu num blogue, e daí a pouco se foi, também partiu para outras plagas.

                                   Então, a cada dia eu lia um daqueles horrores e ficava aturdida, sem quase poder crer que tudo aquilo acontecera enquanto eu amava os Beatles e os Rolling Stones e participava de inocentes festinhas no salão paroquial da nossa igreja de Nossa Senhora da Glória, usando os vestidos bonitos que a mãe costurava para mim.

                                   Eu tinha a noção histórica daqueles acontecimentos, mas ler caso a caso, detalhe a detalhe, como o Vanderley Caixe contava, era algo horripilante, e a cada dia eu ficava mais angustiada e revoltada.

                                   Havia uma atenuante para a minha emoção, no entanto: aquelas pessoas eram de outros lugares, eram do Rio, de São Paulo, de Recife, tinham morrido no Araguaia, não eram próximas, embora algumas tenham ficado na minha vida com mais força que irmãs, como Soledad, enegrecida de tanta tortura, morta dentro de uma barrica com seu bebê morto aos pés, enquanto o Cabo Anselmo, seu algoz e pai do bebê, continua por aí fresco e fagueiro como inocente, um monstro para quem eu olho na televisão e sinto que tenho que vomitar. Mesmo tendo ficado tão próxima de Soledad, no entanto, ela continuava sendo a Soledad de Recife, fisicamente bastante distante da minha realidade.

                                   Mas teve um dia, mãe, em que eu dei com a cara na parede. Pensando que iria ler mais uma distante monstruosidade da nossa ditadura, esbarro com força na minha infância, resvalo, caio e chafurdo na minha própria experiência pessoal, e até agora não sei como se sobrevive a coisa assim: Vanderley Caixe contou a história do seu Pio.

                                   Do seu Pio a mãe se lembra, seu Higino Pio, o seu Pio da Dona Amélia, vizinhos da minha infância lá na Praia de Camboriu, que então ainda não se chamava Balneário Camboriu. Eu tenho as mais cálidas lembranças daquele tempo e do seu Pio e sua casa – comerciante, sua grande loja tinha o mais maravilhosodepartamento de brinquedos que uma criança pudesse conhecer – pelo menos eu nunca vira nada tão maravilhoso, tendo em vista que aquele era o único departamento de brinquedos que eu conhecia. Recordo muito bem de uma carruagenzinha que parecia vinda diretamente dos contos de fadas e que durou algum tempo na vitrine – como eu a queria! Jamais diria tal coisa para a mãe ou o pai, no entanto – um brinquedo assim era coisa para alguma princesa, e não para uma criança comum como eu. Mas tenho lá a lembrança, assim como lembro dos bolinhos de frigideira que comia na cozinha da Dona Amélia.

                                    O seu Pio era um comerciante forte da Praia de Camboriu; construiu um dos primeiros edifícios de lá, a classificação que lhe cabia era de capitalista. Tinha tal importância que se elegeu primeiro prefeito, quando a praia virou município. E eu lembro, ah! mãe, como eu lembro, a mãe e o pai cochichando em sussurros:

                                   - Mataram o Pio!

                                   Era o tempo do medo e vocês estavam acostumados a ele, egressos que eram dos tempos da Segunda Guerra Mundial, quando se viveu com medo até de falar, nesta minha região onde a língua não era exatamente a portuguesa. Então cochichavam, mas meu ouvido fino ouviu aquilo e guardou a lembrança, e por décadas não pensei mais – até que dou de cara com a denúncia feita pelo Vanderley Caixe!

                                   A ditadura me afetara, sim, chegara diretamente a mim, à minha emoção, à lembrança da cozinha da Dona Amélia e da carruagenzinha na vitrine daquela loja tão linda, enfiara um espeto enferrujado no meu coração e ressuscitara os cochichos da mãe e do pai dizendo em sussurros:

                                   - Mataram o Pio!

                                   Sim, mãe, mataram o Pio, o seu Higino Pio da mais linda loja de brinquedos do mundo, mataram ele mesmo ele sendo o protótipo do capitalista – como? Como? Não estava a ditadura a perseguir os comunistas?

                                   Ah! Mãe, quantas mentiras nos contaram a vida inteira! Por sorte, eu tinha na lembrança o cochicho de vocês, e vocês sabiam mais do que diziam, porque sabiam que o seu Pio tinha sido matado.

                                   Como tirar esta mágoa de mim agora, seu Pio? Como poder deglutir esta sensação de infância profanada?

                                   Por sorte, eu tive na minha vida um amigo chamado Vanderley Caixe, mãe. Por sorte eu não parei no tempo e estive sempre querendo saber mais. Por sorte não me mantive na ignorância onde poderia estar agora.

 

                                   Blumenau, 25 de Setembro de 2014.

 

                                   Urda Alice Klueger

                                   Escritora, historiadora e doutora em Geografia.

 

 

 

 
publicado por o editor às 11:40
link | comentar | favorito

.tags

. todas as tags

.arquivos

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

.subscrever feeds