Quarta-feira, 25 de Novembro de 2015

Desemprego volta a crescer e registra 8,9% no terceiro trimestre de 2015  

 

 

A taxa de desemprego medida pela Pnad Contínua registrou nova alta no terceiro trimestre do ano, passando de 8,3% para 8,9%. No mesmo período de 2014, o desemprego era de 6,8%, tendo alcançado sua mínima no último trimestre daquele ano, quando registrou a marca de apenas 6,5% de desempregados. Na comparação com o mesmo período de 2014, o terceiro trimestre de 2015 registrou um aumento de 33,9% no total da população desempregada, com o número de pessoas ocupadas ficando praticamente estável (queda de apenas 0,2%). Isso demonstra que a maior parte do crescimento do desemprego se deveu ao crescimento da População Economicamente Ativa (PEA), que apresentou expansão de 2,1% na comparação entre o terceiro trimestre deste ano e o do ano anterior, incluindo quase 2,1 milhões de novos trabalhadores a procura de empregos. Com isso, registrou-se queda de 1,2% no rendimento médio real do trabalhador brasileiro na comparação com o trimestre anterior, o que reflete-se em uma queda na massa de rendimento real habitual dos mesmos 1,2%. Na comparação com o ano passado, ambos indicadores apontam estabilidade.
Comentário: A rápida deterioração do mercado de trabalho é um dos efeitos esperados da recessão econômica, fazendo com que muitas pessoas retornem ou adentrem mais cedo no mercado de trabalho visando aumentar a renda familiar. Este aumento da demanda por trabalho em um momento de escassez da oferta de novas vagas faz com que a taxa de desemprego aumente, dificultando a negociação de ganhos salariais reais por parte dos trabalhadores. Segundo alguns economistas liberais, a queda dos salários e o aumento do desemprego são condições necessárias para a retomada do crescimento econômico, uma vez que reduzirão o custo de produção do empresário, que terá maior expectativa de rentabilidade ao vislumbrar salários mais baixos. Estes mesmos economistas se esquecem que o salário e a renda do trabalho são também demanda pelos produtos dos empresários, que não terão nenhuma vantagem em verem seus custos de produção diminuídos, caso não tenham para quem vender seus produtos. A retração do desemprego depende, portanto, da retomada do crescimento da economia, que por sua vez depende que o país estabilize seus principais preços macroeconômicos (câmbio e juros) e encontre alguma fonte de demanda autônoma que garanta uma perspectiva positiva e minimamente estável para o empresário investir. Em um cenário de crise econômica, nenhum agente privado será responsável por demandar produtos de seus pares, uma vez que a incerteza sobre o futuro permanece muito elevada. Sendo assim, apenas o Estado é capaz de construir uma verdadeira “ponte para o futuro”, que ao invés de retirar direitos e serviços públicos das populações mais carentes, aposte no fortalecimento da infraestrutura social e logística brasileira como caminho privilegiado para a criação de demanda autônoma e, portanto, para a superação da crise atual.

 

publicado por o editor às 13:36
link | comentar | favorito

.tags

. todas as tags

.arquivos

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

.subscrever feeds