Domingo, 22 de Março de 2015

INÉDITOS - A POESIA DE MYRTHA RAC'Z- 4

 

 

 




MONOLOGO COM MEU FILHO


Filho meu, verbo inconcebido
vida incriada
não nascido pela carne, pelas leis
ou pelos mapas
abstrato, impalpável
idéia invulgar da minha mente
ternura minha
meu carinho de artérias e de nervos
de solidão e de silencio
vem cirandar com tua mãe-menina
e ele te contará estórias.

Tua canção de ninar já é traçada
nas distancias de minha meninice.
Tuas mãos calor de lume
na minha vigília de teu sono.
Vem, filho meu, serás boneco
na infancia de meus vintes anos.

Rabiscarei contigo as rotas que seguiremos
e te embalarei nos braços do meu poema.
Quando chorares eu chorarei teu pranto
plasmando em teu silencio 
minhas cantigas de roda.

Filho meu, verbo inconcebido
vida incriada
em teu cabeço trançarei meus sonhos
e cantaremos estrelas nas asas de nossa noite.
Quando quiseres
te ensinarei verdades - as verdades das crianças
e rirei contigo dos joelhos esfolados
das mãos sujas dos cacos da vidraça
que quebraste.
Eu traçarei em meu rosto
a sombra de teus dedos
para viver tanta pureza na rotina dos meus dias.
Quando pulares os muros
destes jardins de limites
eu sorrirei de teu medo e estarei do teu lado.
No frio destes crepúsculos
sentarás em meus joelhos
e rezarás comigo a oração das esperanças.

Se tu soubesses, meu filho,
há uma fé já a tua espera
e uma ausencia em teu nome.

Filho meu, verbo inconcebido,
vida incriada
melhor erá
que continues a não ser.
Permanece abstrato, impalpável
idéia invulgar de minha mente
morre sem ter nascido
morre
antes que te ame ainda mais.



Myrtha em 1970

 

 
publicado por o editor às 14:08
link | comentar | favorito

.tags

. todas as tags

.arquivos

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

.subscrever feeds