Sexta-feira, 24 de Junho de 2016

    IPCA-15 registra desaceleração da inflação  

 

 



Em junho, a inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo – 15 (IPCA-15) registrou um aumento de 0,40%, enquanto em maio havia sido de 0,86%. Segundo o IBGE, foi a menor variação para junho desde 2013, quando houve aumento de 0,38%. Neste sentido, no acumulado, a inflação do primeiro semestre que atinge 4,62% é bem inferior aos 6,28% do mesmo período de 2015.
No mês, a desaceleração da inflação no país se deu especialmente pelo resultado do grupo de Alimentação e Bebidas, que teve um aumento de 0,35% e tem forte peso na composição do indicador. Em maio este grupo havia avançado 1,03%. Além disso, alguns produtos tiveram importante impacto na desaceleração da inflação. Houve queda nos preços de produtos como cenoura (-25,63%), tomate (-8,10%), anchova (-6,84%), etanol (-6,60%) e passagem aérea (-4,11%).

Em uma análise comparada entre maio e junho, os dados do Instituto Brasilerio de Geografia e Estatística também revelaram desaceleração da inflação em produtos de grupos como Saúde e Cuidados Pessoais, que passou de 2,54% para 1,03%, vestuário, de 0,72% para 0,42%, e Educação, de 0,29% para 0,06%.
Apesar da inflação medida pelo IPCA-15 de junho ter vindo abaixo do esperado por muitos economistas, sobretudo devido à desaceleração no grupo de alimentação e bebidas, a tendência é que ocorram ainda alguns percalços em sua trajetória. O grupo de Alimentação e Bebidas deverá sofrer um impacto inflacionário expressivo no próximo mês. Isso porque, o Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA) referente ao setor agropecuário, que tem parcela significativa dos Índices Gerais de Preços (IGPs), está subindo acima de 4% no mês. No entanto, é importante enfatizar que a medida para controlar a atual inflação não perpassa juros altos, uma vez que não se trata de uma inflação de demanda. A política monetária pautada por juros altos tem sido adversa à retomada do crescimento econômico e fator decisivo, junto com a austeridade fiscal, para crise econômica no país.

 

publicado por o editor às 14:06
link | comentar | favorito

.tags

. todas as tags

.arquivos

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

.subscrever feeds