Quinta-feira, 26 de Março de 2015

Ofensiva liberal atinge Petrobras, BNDES e política macroeconômica

 

 

 

Ofensiva liberal atinge Petrobras, BNDES e política macroeconômica: As atuais dificuldades observadas na economia brasileira abriram espaço para um ataque amplo e irrestrido por parte das hostes liberais, que reputam o momento atual ao fracasso das políticas econômicas desenhadas no primeiro governo Dilma Roussef. Valendo-se de seu amplo apoio e espaço nos meios de comunicação, o ataque tem como objetivo desconstruir e eliminar qualquer resquício de política de desenvolvimento econômico ativo, tendo agora encontrado apoio no coração do governo federal com Joaquim Levy no comando da economia. A defesa do retorno do tripé macroeconômico em sua concepção menos flexível e mais estrita se contrapõe ao suposto abandono da política de metas inflacionárias e a flexibilização do tripé macro conduzido no primeiro governo Dilma, enquanto o ataque à Petrobras (que inclui debates sobre privatização e abertura do pré-sal para exploração por empresas estrangeiras) e ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) completam o quadro de desconstrução principais dos instrumentos utilizados para promover o desenvolvimento nacional nos últimos anos. Ilustrativo deste verdadeiro “programa” liberal é a edição de hoje do jornal “Valor Econômico”, onde alguns de seus principais jornalistas e colunistas atacam de forma coordenada o BNDES e seu papel de promotor do desenvolvimento, a chamada “nova matriz macroeconômica” e os instrumentos de gestão ativo da taxa de câmbio, além de criticar integrantes do governo que se contrapõe a interpretação liberal dos fatos. A conclamação para a presidente “admitir erros” se insere neste quadro, pois apenas quando Dilma afirmar categoricamente que estratégia adotada em seu primeiro governo levou o país ao cenário atual a vitória liberal estará completa.
Comentário: A avaliação de que os resultados econômicos negativos do final do governo Dilma se devem exclusivamente a erros na concepção da política econômica, que teria supostamente priorizado o desenvolvimento por meio da ação do Estado, representa uma simplificação banal da complexidade do momento que vivemos. Em primeiro lugar, relega a segundo plano análises de caráter mais estrutural, que demonstram a desconstrução gradual do parque produtivo nacional e o fim de um ciclo de consumo e de bens duráveis como fatores determinantes para a desaceleração econômica. Em segundo lugar, parte do princípio de que o Brasil estaria excluido do contexto internacional marcado pelo recrudescimento da concorrência externa, recessão e baixo crescimento nos principais países do mundo, além da instabilidade macroeconômica causada por medidas pouco usais de política monetária em países como Estados Unidos (EUA), Japão e no bloco do Euro. Por fim, retira de sua análise todas as considerações acerca de eventos exógenos, como a seca brasileira recente ou as rápidas alterações nos preços das commodities, em particular do petróleo, devido a introdução de uma nova tecnologia como o gás de xisto nos EUA. Criar e disseminar a interpretação de que todo o problema do Brasil se resume a adoção de uma política econômica “heterodoxa” e a utilização de instrumentos de Estado para promover o desenvolvimento faz parte de uma estratégia mais geral de eliminar do debate qualquer alternativa que não aquela proposta pelos liberais e pelos mercados financeiros. Caso vitoriosa, esta estratégia representará a supressão da vontade expressa nas urnas pela vontade expressa nos mercados, supostamente amparada por “leis econômicas naturais”, impossíveis de serem violadas. No pior cenário, a construção no imaginário popular de que “só há uma alternativa” poderá atrasar em décadas a adoção de qualquer estratégia de desenvolvimento econômico e social que não parta do princípio de que o Estado deve ser mínimo e o mercado deve promover os ajustes necessários, por meio do sistema de preços. Governos de esquerda, desta forma, estariam limitados a gerir as sobras orçamentárias para promover projetos (sempre frágeis e questionados) de proteção social, deixando a gestão do projeto de desenvolvimento mais amplo para as forças privadas.

FUNDAÇÃO PERSEU ABRAMO Rua Francisco Cruz, 234 - Vila Mariana - CEP 04117-091 - São Paulo - SP - Brasil Fone: (11) 5571-4299 - Fax (11) 5573-3338 Agência FPA: Imprensa - imprensa@fpabramo.org.br

 

 
publicado por o editor às 14:56
link | comentar | favorito

.tags

. todas as tags

.arquivos

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

.subscrever feeds