Sexta-feira, 12 de Dezembro de 2014

PARATY É PROTAGONISTA EM EXPOSIÇÃO E JORNADA DE DEBATES “HISTÓRIAS E OFÍCIOS DO TERRITÓRIO”

 

 

Primeira ação pública do Museu do Território de Paraty foca na riqueza histórica e cultural da cidade

No dia 04 de dezembro foi inaugurada a primeira ação pública do Museu do Território de Paraty, realização da Associação Casa Azul e do Ministério da Cultura, com patrocínio do BNDES. Histórias e Ofícios do Território é composta por uma exposição, uma jornada de debates e uma oficina de fotografia e memória.

A exposição conta com registros em vídeo de moradores antigos, painéis expositivos e placas comemorativas com os depoimentos dos moradores que serão espalhadas pela cidade. Na Casa da Cultura (sala Samuel Costa) um conjunto de fotos antigas coletadas durante as entrevistas complementa a exposição. Na oficina sobre fotografia e memória, o fotógrafo Walter Craveiro propõe aos participantes a criação de um mapa afetivo de Paraty, a partir de suas fotos de família, antigas ou recentes. Os visitantes da exposição são convidados a fixar post-its com suas lembranças sobre o mapa de Paraty, nos lugares em que aconteceram grandes e pequenos momentos inesquecíveis. A exposição fica em cartaz até março de 2015 e a oficina, que teve o primeiro módulo entre 3 e 5 de dezembro, terá um segundo módulo em 27 e 28 de fevereiro de 2015.

A jornada de debates, que contou com paratienses e convidados de fora da cidade, aconteceu entre 4 e 6 de dezembro. Veja abaixo os destaques dia a dia.


Dia 1 – Cidade histórica e com história

O primeiro dia de debates foi marcado pela reação emocionada de alguns membros da plateia, como o comendador Antonio Conti – “Eu não poderia deixar, nos meus 85 anos, como paratiense, nascido aqui no fundo dessa rua, de demonstrar minha alegria. Eu sempre pensei que um dia ia voltar nosso passado de amor à terra”, disse.

A inauguração do evento ocorreu no antigo cinema da cidade, rebatizado de Espaço Experimental de Cultura – Cinema da Praça, com as presenças de Mauro Munhoz, diretor-presidente da Associação Casa Azul e diretor geral do Museu do Território de Paraty, Paulo Werneck, curador da programação do museu, e Cristina Maseda, secretária de Cultura de Paraty, com direito a iguarias regionais como o café caiçara.

Na primeira sessão, Munhoz dividiu o palco com André Bazzanella, técnico do Iphan na Costa Verde do RJ, que assinalou a forte relação entre os patrimônios material e imaterial, além da diversidade cultural da cidade e como ela se relaciona com paratienses e turistas: “Quem vem de fora não vê só o conjunto arquitetônico, mas também a cidade vivida. Paraty é uma cidade histórica e com história”.


Dia 2 – Em defesa da cultura

Na segunda sessão da mostra, Angelo Oswaldo, ex-prefeito de Ouro Preto e presidente do Instituto Brasileiro de Museus (IBRAM), fez um passeio histórico sobre o ciclo do ouro no Brasil e porto de Paraty, e falou sobre como a estagnação econômica das cidades históricas permitiu que mantivessem suas características e tradições. Além disso, criticou o preconceito contra a efervescência cultural nas cidades: “Ela não pode ser vista como algo que perturbe a placidez do dia a dia”.

Rodrigo Leão de Moura, professor de biologia marinha da UFRJ, alertou para a exploração excessiva dos estoques peixeiros durante a terceira sessão, incentivando a diminuição do consumo do pescado e a busca da informação sobre o que é saudável e sustentável. Almir Tã, pescador e líder comunitário da Ilha do Araújo, chamou a atenção para o descaso e a manipulação em relação aos pescadores, lamentando que sejam dependentes de um cartel.

A quarta sessão teve como convidado o paratiense Seu Zé Ferreira, referência em práticas agroecológicas, que chamou a atenção para a valorização das tradições culinárias locais: “As pessoas esperam encontrar coisas que sejam tradicionais da cidade, mas encontram coisas que nada têm a ver com nossa realidade, o que acaba com a nossa cultura”, disse. A seu lado, o sociólogo Carlos Alberto Dória criticou o desconhecimento sobre a culinária efetivamente brasileira e provocou a elite que “consome coisas afrancesadas, mas gosta mesmo é de leitão”.


Dia 3 – A reflexão em seu devido lugar

O pintor Julio Paraty relembrou, na quinta sessão, a influência dos grandes artistas paratienses Zé Kleber e Djanira no início de sua carreira, e comentou o fato de sempre encomendarem suas famosas bandeirinhas. Paulo Pasta, pintor, professor e escritor, falou sobre o ensino da pintura na sala de aula e a inversão de valores na arte contemporânea: “O mercado toma o lugar da reflexão. Isso é triste, pois seu valor é o dinheiro, não há valor artístico”, disse.

Na sexta e última sessão, a antropóloga Paula Pinto e Silva mostrou como a comida de Paraty traduz os ciclos econômicos da cidade e criticou a relação vira lata que o brasileiro tem com sua culinária. A especialista na culinária paratiense Maria Rameck falou sobre as comidas típicas da cidade e suas lembranças da época em que não havia restaurantes, e encerrou com um carismático conselho: “Nunca coloquei uma Coca-Cola na boca. Não tenho uma estria com 82 anos. Que sirva de lição pra vocês”.

A cobertura completa da abertura de Histórias e Ofícios do Território pode ser conferida no site www.museudoterritoriodeparaty.org.br/  e no facebook oficial do Museu do Território de Paraty www.facebook.com/museudoterritoriodeparaty

 

publicado por o editor às 13:09
link | comentar | favorito

.tags

. todas as tags

.arquivos

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

.subscrever feeds