Domingo, 24 de Maio de 2015

SADE, A FELICIDADE LIBERTINA

 

 

 

SADE, A FELICIDADE LIBERTINA 

de Eliane Robert Moraes


16X23cm | 280 páginas | Quadrado

Para Michel Delon , Sade 200 anos (*) depois de ter pedido para ser esquecido é reverenciado, ou melhor "levado a sério" porque " ele é um dos nossos maiores narradores da crueldade e do absurdo, um incansável inimigo dos dogmas, um mestre do humor negro e um poeta de nossas piores angústias".

Agora não é o ato em si, a licenciosidade e a transgressão à moral judaico-cristã. Agora é o conjunto das sensações espaciais, a saciedade dos sentidos, as cores, formas, arquiteturas de um cenário. Eliane nos transporta em um roteiro maior que um "reality show" em um passado permeado de filosofia nada contida. Uma obra excepcional.

O livro foi publicado originalmente em 1994 e tem o frescor necessário para comemorar-se em bom estilo e muita inteligência o bicentenário.

(*) em 2014 comemorou-se o bicentenário de sua morte

(E.C)

O LIVRO

Tudo começa com uma viagem. No afã de conhecer a diversidade do crime, os libertinos de Sade correm mundo, exploram terras incógnitas, visitam desde as regiões mais bucólicas até os redutos mais inóspitos, num roteiro exemplar que tem seu ponto alto na Itália de Nero e Calígula. Como bons iluministas, não há lugar em que não vasculhem; como bons devassos, não há local onde não encontrem algum vestígio do vício que lhes move a curiosidade e a carne.

Ponto de partida dos libertinos, a viagem é também o topos do qual parte Eliane Robert Moraes para introduzir o marquês de Sade ao leitor brasileiro, convidando-nos a acompanhar a trajetória lúbrica de seus personagens. Percurso que será igualmente sinônimo de aventura: primeiro, por apresentar o universo de um escritor que, tendo sido vulgarizado como “caso clínico”, é hoje considerado um dos mais notáveis “homens de letras” do século XVIII europeu; segundo, porque propõe um roteiro literário e filosófico em que a surpresa se torna, por excelência, o elemento deflagrador da sensualidade.

Assim, em Sade —A Felicidade Libertina, o erotismo transparece menos na descrição das cenas sexuais do que na dieta dos devassos, no mobiliário ou nos figurinos do deboche, na paisagem ou na arquitetura dos castelos libertinos. Em suma, a autora sugere que na libertinagem — em que nada existe além do prazer dos sentidos — todo investimento é sensual. Daí que essa interpretação, construída num vigoroso diálogo com outros estudiosos, coloque em cena um autor radicalmente ateu e materialista, cujas ideias vêm importunar — oportunamente, talvez — os supostos ideais de liberdade e virtude forjados pelos philosophes da Enciclopédia.

Num fechamento progressivo, segundo o roteiro deste livro, os devassos de Sade vão se deslocar do espaço aberto para o interior de seus castelos, do grande teatro onde encenam espetáculos cruéis para um inconcebível salão de banquetes, até, por fim, atingirem os aposentos privados, onde a experiência da libertinagem assume contornos mais nítidos e insuportáveis. Ao final do percurso, o leitor se surpreenderá devassando os segredos da alcova íntima, onde tudo termina: o boudoir.



A AUTORA

Eliane Robert Moraes é professora de Literatura Brasileira na Universidade de São Paulo (USP) e pesquisadora do CNPq. Assina diversos ensaios sobre o imaginário erótico nas artes e na literatura, a tradução da História do Olho de Georges Bataille (Cosac &Naify) e a organização da Antologia da Poesia Erótica Brasileira (Ateliê). Publicou, pela editora Iluminuras, os livros: O Corpo impossível – A decomposição da figura humana, de Lautréamont a Bataille (2002), Lições de Sade – Ensaios sobre a imaginação libertina (2006) e Perversos, Amantes e Outros Trágicos (2013).

LANÇAMENTO

 

 

 
publicado por o editor às 13:11
link | comentar | favorito

.tags

. todas as tags

.arquivos

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

.subscrever feeds