Terça-feira, 27 de Janeiro de 2015

33ª Oficina de Música termina com show de Raul de Souza e Ed Motta

 

 

 

 
 
            Um show que celebra os 80 anos do trombonista Raul de Souza, com a participação especial do cantor Ed Motta, marca o encerramento da 33ª Oficina de Música de Curitiba. O show, nesta quarta-feira (28), às 21h, no Guairão, faz parte da programação da fase de música popular brasileira da Oficina, que homenageia o instrumentista, mundialmente reconhecido pela sua genialidade musical.
            Em 20 dias de programação, a 33ª Oficina movimentou a cidade, atraindo músicos de todo o Brasil e do exterior. Perto de 1.500 alunos acompanharam os cursos de música erudita e popular brasileira, muitos deles estrangeiros. A etapa de MPB, que acontece há 23 anos, deixa um saldo bastante positivo. “Os cursos, como sempre, estiveram lotados. As apresentações atraíram um grande público. Não é um festival só de músicos. A gente percebe que a comunidade também acompanhou e apreciou os shows”, diz o saxofonista Glauco Solter, um dos coordenadores da Oficina de MPB junto com o clarinetista Sérgio Albach.
            Glauco Solter faz parte da banda de Raul Souza há 11 anos e também estará tocando no show de encerramento. Ele conta que o convite para Ed Motta participar dessa celebração surgiu de dois encontros casuais com Raul de Souza – o primeiro no Festival de Jazz de Parati e o segundo, em novembro do ano passado, em Paris. Raul de Souza divide sua residência entre Toulouse (França) e São Paulo. Glauco lembra da forte ligação de Raul com Curitiba, onde viveu na década de 1950, se casou e teve três filhos. Os filhos, netos e bisnetos continuam morando em Curitiba.
           
Carreira internacional - Raul de Souza acompanhou os últimos 60 anos de história da MPB, tocando ao lado de Ari Barroso, Pixinguinha, Sivuca, Baden Powel, Sérgio Mendes, e consolidou uma carreira internacional, gravando e fazendo inúmeros shows nos Estados Unidos e na Europa. Artisticamente batizado por Ari Barroso, tocou com Pixinguinha e Agostinho dos Santos. Posteriormente, gravou seu primeiro disco de música brasileira instrumental da história ao lado de Sivuca, Altamiro Carrilho e Baden Powell. Nos anos de 1970, Raul de Souza consolida sua carreira internacional após gravar álbuns nos Estados Unidos, tocando com artistas como Sergio Mendes, Airto Moreira, Sonny Rollins, George Duke, Freddie Hubbard e Cannonball Adderley.
Seu disco Colors virou matéria de estudo na renomada Berklee College of Music. Nomeado inúmeras vezes o melhor trombonista do mundo pelas revistas especializadas, hoje é considerado uma referência mundial no virtuosismo de seu instrumento e pela ginga e fraseado brasileiro – adquirido nas gafieiras cariocas. Após afastar-se das grandes gravadoras americanas, que não acompanhavam seu ecletismo musical, volta a gravar no Brasil com Tom Jobim, Zimbo Trio, Paulo Moura, Milton Nascimento, Djavan, Maria Bethania, Hermeto Pascoal, Egberto Gismonti, entre outros.
Dividindo o tempo entre Brasil e França, nunca parou de produzir música, experimentar diferentes instrumentos e propostas musicais. Em 2013 lançou o DVD "O Universo Musical de Raul de Souza" e o CD "Voilá". Para os shows de celebração de seus 80 anosem vários palcos do Brasil e do mundo convidou velhos amigos como João Donato, Ron Carter, Richard Bona, Andre Ciccarelli entre outros. Acaba de gravar na França um CD inédito de composições entitulado "Brazilian Samba Jazz". Atualmente mostra uma disposição fenomenal, empunhando seu trombone, sempre acompanhado de seu grupo - Glauco Sölter (baixo), Mário Conde (guitarra), Fábio Torres (piano) e Mauro Martins (bateria).
 
            Participação especial - O cantor Ed Motta despontou em fins dos anos 80 e hoje é um cantor, compositor, multi-instrumentista, arranjador e produtor de trânsito internacional. Em seu estilo, sem abrir da veia funk-soul, recebe influências que vão do jazz à canção brasileira, das trilhas sonoras de Hollywood ao rock, da música clássica aos standards americanos, da bossa nova ao reggae.
Sobrinho do cantor e compositor Tim Maia, ele tem como primeiras lembranças a música do tio, os discos de samba-canção e bossa nova, os sucessos de Earth, Wind & Fire, Stevie Wonder e da disco music que então vigorava na década de 70. Sua carreira começa em meados dos anos 80, com o grupo Conexão Japeri, com quem excursionou por todo o Brasil e cantou três grandes sucessos - “Manuel”, “Baixo Rio” e “Vamos dançar”. Nos anos 90 partiu para a carreira solo e desde então gravou vários discos, viveu nos Estados Unidos, excursionou pela Europa, Japão, Estados Unidos e América do Sul.
 
Apoios - Realizada pela Prefeitura Municipal e Fundação Cultural de Curitiba, por meio do Instituto Curitiba de Arte e Cultura (ICAC), a Oficina de Música 2015 tem como principal patrocinadora a própria Prefeitura, além de participação da Copel e da Caixa. São apoiadores master a Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) e a Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR).
Em 2015, os principais parceiros da Oficina de Música de Curitiba são o Centro Cultural Teatro Guaíra, Consulado Geral dos Estados Unidos em São Paulo, Consulado Geral da França em São Paulo, Consulado Geral da República da Polônia em Curitiba, Curitiba Hostel, Família Farinha, E-Paraná, Escola de Música e Belas Artes do Paraná (Embap), Faculdade de Artes do Paraná (FAP), Instituto Goethe de Curitiba, Secretaria de Estado da Cultura, SESC da Esquina e Paço da Liberdade, Universidade Federal do Paraná (UFPR)/Pró-Reitoria de Extensão e Cultura.
 
 
Serviço:
33ª Oficina de Música de Curitiba – 23ª Oficina de MPB
Show de encerramento – Raul de Souza 80 Anos. Participação especial de Ed Motta
Local: Auditório Bento Munhoz da Rocha Netto - Guairão
Data: 28 de janeiro de 2015, às 21h
Ingressos: R$ 30 e R$ 15
 
 

 

 
publicado por o editor às 15:35
link | comentar | favorito
Segunda-feira, 26 de Janeiro de 2015

A vez dos professores e alunos da 33ª Oficina de Música de Curitiba  

 

 

 
 
 
 
 
 
 

 

            Nesta segunda-feira (26), o palco do Teatro da Reitoria da UFPR está reservado para a “Noite dos Professores”. O espetáculo, às 21h, reúne boa parte dos mestres da 33ª Oficina de Música de Curitiba, que se revezam e dão um show de habilidade e talento em seus instrumentos. Na terça e quarta-feira (27 e 28), já com o festival chegando ao fim, os alunos também terão oportunidade de mostrar o que aprenderam nesses dez dias de cursos de música popular brasileira.
            O show dos professores estará dividido em três módulos: o primeiro, com Conrado Paulino e convidados; o segundo, com Zé Luiz Mazziotti e convidados; e o terceiro, com Sandro Haick e convidados. Além de Conrado Paulino (violão), Zé Luiz Mazziotti (canto) e Sandro Haick (guitarra), estão entre os convidados também os professores Alexandre Ribeiro (clarinete), Alex Buck (bateria), Zéli Silva (contrabaixo), Fábio Torres (piano), Danil D’Alcantara (trompete) e Lulinha Alencar (acordeom).
            Os alunos se apresentam em dois espetáculos nesta terça e quarta-feira, às 15h, no Teatro do Paiol. Na terça, sobem ao palco os alunos do curso de interpretação da canção brasileira e, na sequência, o Conjunto de Choro, o Conjunto de Flautas e o Conjunto Instrumental. Na quarta, os grupos de Canto e Prática Coral, o Conjunto de Música Nordestina, o Conjunto de Samba e o Conjunto de Choro.  
 
Apoios – Realizada pela Prefeitura Municipal e Fundação Cultural de Curitiba, por meio do Instituto Curitiba de Arte e Cultura (ICAC), a Oficina de Música 2015 tem como principal patrocinadora a própria Prefeitura, além de participação da Copel e da Caixa. São apoiadores master a Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) e a Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR).
Em 2015, os principais parceiros da Oficina de Música de Curitiba são a Rádio Lúmen FM, o Centro Cultural Teatro Guaíra, Consulado Geral dos Estados Unidos em São Paulo, Consulado Geral da França em São Paulo, Consulado Geral da República da Polônia em Curitiba, Curitiba Hostel, Família Farinha, E-Paraná, Escola de Música e Belas Artes do Paraná (Embap), Faculdade de Artes do Paraná (FAP), Instituto Goethe de Curitiba, Secretaria de Estado da Cultura, SESC da Esquina e Paço da Liberdade, Universidade Federal do Paraná (UFPR)/Pró-Reitoria de Extensão e Cultura.
 
33ª Oficina de Música de Curitiba – 23ª Oficina de MPB
Noite dos Professores
Teatro da Reitoria da UFPR
Data: 26 de janeiro de 2015 (segunda-feira), às 21h
Ingressos: R$ 10 e R$ 5
 
Show de Alunos da Oficina
Teatro do Paiol – Praça Guido Viaro, s/nº
Datas: 27 e 28 de janeiro de 2015 (terça e quarta-feira), às 15h
Entrada franca

 

 
publicado por o editor às 15:35
link | comentar | favorito

Ritmos brasileiros da Oficina de Música atraem estrangeiros  

 

 

 
 

Referência internacional, a Oficina de Música de Curitiba a cada ano atrai mais estrangeiros. Em 2015, as aulas com os ritmos tradicionais do Brasil, da fase de música popular, receberam  42 alunos estrangeiros, sendo o curso de percussão o mais procurado, com 13 alunos inscritos. 

O inglês John Beard, engenheiro acústico, estuda a música brasileira desde 2006 e participa pela primeira vez da Oficina de Música, no curso de violão de 6 e 7 cordas, no choro e no conjunto de samba. Conheceu o evento através de um amigo, o percussionista curitibano Danilo Fraga, radicado em Chicago (EUA), atual moradia de John. “A Oficina é muito interessante e saímos daqui com um grande aprendizado, pois os professores são de um nível muito avançado e alguns dos alunos também. Eu gosto muito dos ritmos choro e samba. Gostaria de estar participando também do conjunto de música nordestina, pois gosto muito da música tradicional, a música de raiz do Brasil”, disse. 

A cantora francesa Sabine Schaechtelin mora no Brasil há um ano, em Florianópolis, e estuda música na UFSC. Ela participa pela primeira vez da Oficina, nos cursos de clarinete e canto. “Eu estou no Brasil para estudar a música brasileira, e na Oficina escolhi a fase popular porque trabalha muito mais a tradição e a música local do que na fase erudita”, disse. Sabine diz que seu primeiro instrumento é o canto. O clarinete ela usa porque começou a estudar o chorinho e, durante o evento, quer se aprofundar no instrumento. “Quando soube que o professor de clarinete seria o Alexandre Ribeiro, eu não poderia perder, eu adoro ele, a música dele é o tipo de música que eu escuto. Estou adorando a Oficina, o nível é bem alto”, conta. 

O pianista e compositor argentino Pablo Giner também participa pela primeira vez da Oficina de Música, no curso Solfejo e Percepção para Improvisação e no de Percussão. “Eu sempre me interessei em aprender a música daqui, queria saber mais sobre as partituras, as harmonias, os ritmos e a musicalidade do samba e bossa nova”, disse. Giner já conhecia a oficina há alguns anos, através de alguns amigos argentinos e peruanos que participaram em edições anteriores, mas só no ano passado, quando se interessou em executar algumas composições brasileiras, que decidiu se inscrever no evento. “Eu estou achando muito legal, os professores são muito preparados, de níveis altíssimos e abertos para passar materiais e ajudar com as dúvidas. Estou muito satisfeito com o que estou aprendendo e vivenciando aqui”, finaliza. 

A flautista holandesa Floor Polder participa pela segunda vez da oficina e ficou sabendo do evento através de uma amiga curitibana que atualmente mora na Holanda. “Eu acho que no geral a música brasileira utiliza bastante a flauta e pra mim isso é muito interessante. As melodias e ritmos que se encontra no Brasil, não tem na Holanda” disse. Para Floor o mais legal da Oficina é que, além das aulas que se faz durante o dia, à noite é possível assistir a shows com grandes músicos. 

 

 
publicado por o editor às 15:32
link | comentar | favorito
Domingo, 25 de Janeiro de 2015

Saxofonista Paulo Siqueira lança disco autoral em show da 33ª Oficina de Música

 

 

 

 
 
O saxofonista Paulo Siqueira faz neste domingo (25), às 19h, no Teatro do Paiol, o show de lançamento do álbum “Até a última faixa”. No disco inteiramente autoral, o músico explora suas influências da improvisação no jazz e na música brasileira. O show faz parte da programação da 33ª Oficina de Música de Curitiba.
Além de saxofonista, Paulo Siqueira é fagotista, flautista, baterista, arranjador e compositor. Integra a Orquestra À Base de Sopros, grupo artístico da Fundação Cultural de Curitiba. Iniciou seus estudos aos 8 anos na banda municipal de sua cidade, Paraguaçu Paulista. Participou de diversas Oficinas de Música, tocou na Londrina Big Band, regida por Vitor Gorni, participando do DVD Rumos do Itaú Cultural, e atuou ao lado de artistas renomados como Egberto Gismonti, Artur Maia, Marku Ribas, Emilio Santiago, Victor Biglione, Filó Machado, Baterista Nenê, Arismar Do Espirito Santo, Daniel Santiago, Bob Wyatt, André Dequech e André Marques.
Licenciado em Música pela Universidade Estadual de Londrina em 2008, foi professor em festivais, atuou como fagotista convidado da Orquestra Sinfônica da Universidade Estadual de Londrina, participou de masterclasse de fagote com Janet Grice(EUA), Elione Medeiros, Aloisio Faguerlande e Noel Devos(RJ). Atualmente cursa o 4º ano superior de fagote na Escola de Música e Belas Artes do Paraná com o professor Jamil Bark.
 
Apoios - Realizada pela Prefeitura Municipal e Fundação Cultural de Curitiba, por meio do Instituto Curitiba de Arte e Cultura (ICAC), a Oficina de Música 2015 tem como principal patrocinadora a própria Prefeitura, além de participação da Copel e da Caixa. São apoiadores master a Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) e a Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR).
Em 2015, os principais parceiros da Oficina de Música de Curitiba são a Rádio Lúmen FM, o Centro Cultural Teatro Guaíra, Consulado Geral dos Estados Unidos em São Paulo, Consulado Geral da França em São Paulo, Consulado Geral da República da Polônia em Curitiba, Curitiba Hostel, Família Farinha, E-Paraná, Escola de Música e Belas Artes do Paraná (Embap), Faculdade de Artes do Paraná (FAP), Instituto Goethe de Curitiba, Secretaria de Estado da Cultura, SESC da Esquina e Paço da Liberdade, Universidade Federal do Paraná (UFPR)/Pró-Reitoria de Extensão e Cultura.
 
33ª Oficina de Música de Curitiba – 23ª Oficina de MPB
Show do saxofonista Paulo Siqueira
Local: Teatro do Paiol – Praça Guido Viaro, s/nº - Prado Velho
Data: 25 de janeiro de 2015 (domingo), às 19h
Ingressos: R$ 10 e R$ 5

 

 

 
publicado por o editor às 15:40
link | comentar | favorito
Quinta-feira, 22 de Janeiro de 2015

Brasileirinho festeja os 100 anos de Dorival Caymmi  

 

 

 
 

O Coral Brasileirinho apresenta na 33ª Oficina de Música de Curitiba o espetáculo “Você já foi à Bahia?”, em homenagem ao centenário de nascimento do compositor baiano Darival Caymmi. O show, domingo (25), às 21h, no Teatro da Reitoria da UFPR, tem a participação especial do cantor paulista Zé Luiz Mazziotti, que na Oficina dá aulas de Interpretação no Canto Popular.
O espetáculo estreou em outubro do ano passado, quando o Brasileirinho completou 21 anos de existência. Sempre renovando seus integrantes, o coral infantil tem como matéria-prima a música popular brasileira. O contato com essa maravilhosa diversidade musical, associada à pluralidade de talentosos compositores, permitiu que os jovens cantores do Brasileirinho descobrissem um Brasil que se descortina nas letras, melodias e ritmos dessas músicas.
E todo o encanto do grupo, atualmente com 27 cantores, pode ser conferido no show “Você já foi à Bahia?”. Para quem já conhece aquele estado ou para quem nunca foi até lá, as 14 composições do repertório respondem muito bem a essa pergunta, por meio da genialidade com que o mestre Caymmi retratou sua história de vida, transformando em música a paisagem, a culinária, as mulheres dengosas e os pescadores da Bahia. São sucessos como Maracangalha, O que é que a baiana tem, Histórias de pescadores, Milagre, Rosa Morena, Samba da minha terra, Acalanto, entre outros.
 
Um pouco de história – Mantido pelo Instituto Curitiba de Arte e Cultura (ICAC), órgão responsável pela gestão da área musical da Fundação Cultural de Curitiba (FCC), o Coral Brasileirinho nasceu em plena primavera, no dia 7 de outubro de 1993, formado por crianças com idades entre oito anos e 13 anos. A proposta de recriar a canção popular urbana brasileira, por meio de arranjos que valorizam o potencial cênico das composições, levou o grupo a se apresentar por todo o Paraná e também em outros estados.
O Brasileirinho contabiliza perto de 150 apresentações, acumulando 14 espetáculos temáticos e mais de 160 canções brasileiras, com ritmos, estilos e gêneros bem diferentes, numa atividade que enriquece a formação musical de seus integrantes. A direção musical está a cargo da cantora e violinista Helena Bel. Milton Karam responde pela direção cênica. O grupo tem o acompanhamento dos músicos Cristina Castro Loureiro (piano e teclado), Bruno Karam (baixo elétrico), Johnny Dionysio (bateria) e Luís Rolim (percussão).
Ao longo desses 21 anos de história, o Brasileirinho teve a alegria de dividir o palco com Kleiton e Kledir, Lenine, Belchior, Elba Ramalho e Wandi Doratiotto, tornando-se referência no panorama da MPB. No repertório do coral estão músicas que resgatam grandes compositores populares do passado. Das apresentações do Brasileirinho, foram marcantes as realizadas em 1995, no Teatro Amazonas, em Manaus. No mesmo ano, o grupo participou do show que comemorou os 30 anos de carreira de Toquinho, merecendo o convite do compositor para gravar uma das faixas do disco “Canção dos Direitos da Criança”, lançado em 1997.
Em 1995, o Brasileirinho gravou seu primeiro disco, mas o talento dos jovens cantores também está registrado em participações nos CDs “Curitiba Canta o Natal” e “Canções Curitibanas”, lançados respectivamente em 1995 e 1997, pela Fundação Cultural de Curitiba, e nos CDs das edições de 1997 e 1998 do Encontro de Corais do Sesc da Esquina. Em setembro de 2008, o Brasileirinho foi convidado a integrar a turnê do projeto musical “Life is a Loop”, comandado pelo DJ curitibano Rodrigo Paciornik.
 
Apoios - Realizada pela Prefeitura Municipal e Fundação Cultural de Curitiba, por meio do Instituto Curitiba de Arte e Cultura (ICAC), a Oficina de Música 2015 tem como principal patrocinadora a própria Prefeitura, além de participação da Copel e da Caixa. São apoiadores master a Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) e a Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR).
Em 2015, os principais parceiros da Oficina de Música de Curitiba são a Rádio Lúmen FM, o Centro Cultural Teatro Guaíra, Consulado Geral dos Estados Unidos em São Paulo, Consulado Geral da França em São Paulo, Consulado Geral da República da Polônia em Curitiba, Curitiba Hostel, Família Farinha, E-Paraná, Escola de Música e Belas Artes do Paraná (Embap), Faculdade de Artes do Paraná (FAP), Instituto Goethe de Curitiba, Secretaria de Estado da Cultura, SESC da Esquina e Paço da Liberdade, Universidade Federal do Paraná (UFPR)/Pró-Reitoria de Extensão e Cultura.
 
33ª Oficina de Música de Curitiba – 23ª Oficina de MPB
Local: Teatro da Reitoria da UFPR – R. 15 de Novembro, 1299 - Centro
Data: 25 de janeiro de 2015 (domingo), às 21h
Ingressos: R$ 10 e R$ 5

 

 

 
publicado por o editor às 16:57
link | comentar | favorito

Vocal Brasileirão canta com Sá e Guarabyra na 33ª Oficina de Música  

 

 

 
 

            A dupla Sá e Guarabyra é uma das atrações da fase de MPB da 33ª Oficina de Música de Curitiba. Eles são os convidados especiais do show que o Vocal Brasileirão preparou para celebrar a obra de Zé Rodrix (1947-2009), cantor, compositor, multi-instrumentista e escritor que criou, juntamente com a dupla, o chamado rock rural. O repertório, que contempla diversas fases da carreira do compositor e da dupla, foi arranjado por Vicente Ribeiro especialmente para este encontro, que acontece na próxima sexta-feira (23), às 21h, no Teatro da Reitoria da UFPR.
            No repertório estão os maiores sucessos de Zé Rodrix: As Canções, Soy Latino-Americano, Casca de Caracol, Muito Triste, Onde os anjos não ousam pisar, Dono da Verdade, Arca de Noé, Primeira Canção da Estrada e Casa no Campo. Tem também canções feitas com Sá e Guarabyra, como Brilho das Pedras e Mestre Jonas, além de sucessos da dupla – Espanhola, Dona e Sobradinho.
 
Sá e Guarabyra - O histórico da dupla remonta a 1971, quando Luis Carlos Sá, Zé Rodrix e Guarabyra formam o trio Sá, Zé Rodrix & Guarabyra, realizando várias apresentações e lançando os LPs "Passado, presente, futuro" (1972) e "Terra" (1973). Em 1973, com o desligamento de Zé Rodrix do trio, Sá e Guarabyra passam a atuar em dupla. Contratados pela gravadora Odeon, lançam os LPs "Nunca" (1973) e Cadernos de viagem" (1975). Em 1977, a dupla assina com a gravadora Som Livre e lança, naquele ano, o bem-sucedido LP "Pirão de peixe com pimenta", que apresenta uma leitura do ritmo nordestino por instrumentos elétricos, destacando-se o xote moderno "Sobradinho" (Sá e Guarabyra) e a canção "Espanhola" (Flávio Venturini e Guarabyra). Em 1979, grava o LP "Quatro", que inclui "Pássaro" (Sá e Guarabyra), novo título para a canção "Um cantador", vetada pela censura durante o regime militar.
Comemorando 10 anos de carreira, a dupla lança, em 1983, o disco "10 anos juntos", que marca o fim da fase do rock rural. No ano seguinte, apresentando um som mais urbano, grava o LP "Paraíso agora" (1984), seguido por "Harmonia" (1985), seu disco mais popular, que incluiu as canções "Roque Santeiro" (da trilha sonora da novela homônima transmitida pela TV Globo) e "Dona". Ainda na década de 1980, lança o LP "Cartas, canções e palavras" (1987). Seguem-se os discos "Vamos por aí" (1990) e "Sá & Guarabyra" (1994). Em 1996, a dupla apresenta-se ao lado de Beto Guedes em show realizado no Canecão (RJ). No ano seguinte, lança o CD "Rio-Bahia". Em 1999, apresenta-se em São Paulo, ao lado da Orquestra Sinfônica de Americana, atuando sob a regência do maestro Carlos Lima, em espetáculo gravado ao vivo e lançado em CD. Em 2001, ocorre o celebrado retorno do trio Sá, Rodrix & Guarabyra, com o lançamento do primeiro DVD do trio, "Outra Vez na Estrada". Em 2009 o trio lança seu quarto álbum, "Amanhã". Esse ano marca o fim definitivo do trio, com o falecimento prematuro de Zé Rodrix.
 
Vocal Brasileirão – Criado e idealizado em 1994 pelo regente e arranjador Marcos Leite (1953-2002), o Vocal Brasileirão foi dirigido por Reginaldo Nascimento a partir de 2002 e desde 2006 conta com a direção artística de Vicente Ribeiro. Todos os cantores do Vocal Brasileirão são solistas. O público tem a oportunidade de ouvir não somente o resultado do conjunto de vozes, mas também os timbres particulares de cada um de seus integrantes. Em um extenso repertório acumulado ao longo de 20 anos, há canções de Ary Barroso, Caetano Veloso, Chico Buarque, Dorival Caymmi, Edu Lobo, Gilberto Gil, Guinga, Ivan Lins, Joyce Moreno, Milton Nascimento, Noel Rosa, Paulinho da Viola, Tom Jobim e Zé Rodrix, além dos paranaenses Carlos Careqa, Paulo Leminski e Sérgio Justen. Dentre dezenas de espetáculos realizados, cabe destacar “Coisas nossas”, “Como uma onda”, “Splish splash”, “Duetos”, “Bastidores”, “Eu canto samba” e “Estandartes do Contestado”.
            O grupo recebeu por três vezes consecutivas (1997, 1998, 1999) e ainda em 2002, o prêmio “Saul Trumpet” como Melhor Grupo Vocal do Estado do Paraná. A partir de 2006, sob a direção de Vicente Ribeiro, o grupo passou a dedicar-se também à montagem de shows com convidados especiais, tendo dividido o palco com artistas e grupos como Quarteto em Cy, Boca Livre, Joyce Moreno e Ivan Lins. Em 2008, o Vocal Brasileirão gravou seu primeiro CD solo, “Invisível Cordão”, dedicado à obra de Chico Buarque e Edu Lobo. Em 2015 prepara-se para lançar o segundo CD, “O Contestado”, com canções de Romário Borelli compostas para o espetáculo homônimo. Com um som personalizado e envolvente, já conquistou um lugar de destaque na vida cultural de Curitiba, combinando originalidade e alegria para obter um resultado sem similar.
 
Apoios - Realizada pela Prefeitura Municipal e Fundação Cultural de Curitiba, por meio do Instituto Curitiba de Arte e Cultura (ICAC), a Oficina de Música 2015 tem como principal patrocinadora a própria Prefeitura, além de participação da Copel e da Caixa. São apoiadores master a Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) e a Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR).
Em 2015, os principais parceiros da Oficina de Música de Curitiba são a Rádio Lúmen FM, o Centro Cultural Teatro Guaíra, Consulado Geral dos Estados Unidos em São Paulo, Consulado Geral da França em São Paulo, Consulado Geral da República da Polônia em Curitiba, Curitiba Hostel, Família Farinha, E-Paraná, Escola de Música e Belas Artes do Paraná (Embap), Faculdade de Artes do Paraná (FAP), Instituto Goethe de Curitiba, Secretaria de Estado da Cultura, SESC da Esquina e Paço da Liberdade, Universidade Federal do Paraná (UFPR)/Pró-Reitoria de Extensão e Cultura.
 
Serviço:
33ª Oficina de Música de Curitiba – 23ª Oficina de MPB
Vocal Brasileirão convida Sá e Guarabyra
Local: Teatro da Reitoria da UFPR – R. 15 de Novembro, 1299 - Centro
Data: 23 de janeiro de 2015 (sexta-feira), às 21h
Ingressos: R$ 10 e R$ 5

 

 
publicado por o editor às 16:53
link | comentar | favorito
Terça-feira, 20 de Janeiro de 2015

O sanfoneiro Lulinha Alencar faz show em homenagem a Luiz Gonzaga

 

 

 

           
            Considerado um dos nomes mais importantes da sanfona brasileira, o músico potiguara Lulinha Alencar faz uma apresentação solo na 33ª Oficina de Música de Curitiba. No show “Cem Gonzaga”, o sanfoneiro interpreta o repertório instrumental de Luiz Gonzaga, revelando o lado musical menos conhecido deste grande artista brasileiro. A apresentação de Lulinha Alencar acontece nesta quinta-feira (22), às 21h, no Teatro da Reitoria da UFPR.
            Lulinha Alencar veio para a 33ª Oficina para dar aula de acordeom e de conjunto de música nordestina. “Cem Gonzaga” é também o seu primeiro disco, lançado em 2014. Lulinha iniciou na música por influência do pai, o sanfoneiro Zé de Cezário e hoje transita por diversa áreas. Seu som faz referência às suas origens sertanejas e completa-se com a urbanidade em arranjos pautados na modernidade e na influência de mestres.
Além do trabalho autoral, o músico integra o grupo de choro Moderna Tradição ao lado dos irmãos e mestres do choro Izaias e Israel Bueno de Almeida e o coletivo latino-americano América Contemporânea. Apresenta-se em todo o Brasil e no exterior, em países como Inglaterra, Espanha, Bélgica, Holanda, França, Alemanha, Itália, Suíça, Áustria, Marrocos, entre outros.
 
Trio catarinense - O grupo Trama Trio, formado pelos músicos catarinenses Gabriel Vieira (violino), Rafael Calegari (contrabaixo) e Pedro Loch (violão), também está na programação desta quinta-feira. O trio de música instrumental apresenta-se às 19h, no Teatro do Paiol, para mostrar o seu primeiro disco, Mergulho.
Suas composições e interpretações seguem referências de diversas esferas da música popular brasileira como o violino popular, a influência da música instrumental sulista, baseada em ritmos tradicionais do sul do Brasil, além dos mais variados ritmos da música instrumental brasileira como o samba, choro, baião, maracatu, entre outros.
A formação acadêmica em música de seus integrantes possibilita uma união entre os ritmos e tradições da música popular com o conhecimento e a erudição em harmonia, arranjo e composição. O mergulho nessas diferentes esferas da música tornam possível um trabalho de caráter intimista, unindo o simples e o rebuscado, o popular e o acadêmico.
 
33ª Oficina de Música de Curitiba – 23ª Oficina de MPB
Local: Teatro do Paiol – Praça Guido Viaro, s/nº - Prado Velho
Data: 22 de janeiro de 2015 (quinta-feira), às 19h
Ingressos: R$ 10 e R$ 5
 
Show “Cem Gonzaga”, de Lulinha Alencar
Local: Teatro da Reitoria da UFPR – R. 15 de Novembro, 1299 - Centro
Data: 22 de janeiro de 2015 (quinta-feira), às 21h
Ingressos: R$ 10 e R$ 5

 

 
publicado por o editor às 22:27
link | comentar | favorito

Thayana Barbosa apresenta o show “Mar de Dentro” na 33ª Oficina de Música

 

 

 

 
 
A cantora e compositora Thayana Barbosa apresenta nesta quarta-feira (21), na programação da 33ª Oficina de Música de Curitiba, o show autoral Mar de Dentro. No show, às 19h, no Teatro do Paiol, Thayana revela delicadas composições com influências que vão do coco à cumbía colombiana, da guarânia à zamba argentina, do samba ao jazz.
A miscigenação de distintas influências traz ao trabalho um estilo musical diferenciado, sem rótulos ou gêneros, envolvendo o público em melodias e poesias que o transporta a um ambiente nostálgico, alegre e intimista. Thayana conta com o acompanhamento dos músicos Glauco Solter (contrabaixo e oz), Valderval (bateria e voz), Márcio Rosa (percussão) e Jorge Falcon (violão, voz e direção musical).
A artista atua no cenário cultural de Curitiba desde 1999, como cantora, compositora, percussionista, brincante e pesquisadora de culturas populares brasileiras. Cursou licenciatura em música na FAP (Faculdades de arte do Paraná) e desde 2002 é integrante do grupo Mundaréu. Participou de diversos projetos, oficinas de música e musicais de renome como “Clara Crocodilo e Metamorfose” (Arrigo Barnabé) e “Ópera Atômica e As Sete Caras da Verdade” (Nico Nicolaiewsky), ambos em 2009.
Em novembro de 2010 Thayana Barbosa fez o seu primeiro show solo “Mar de Dentro” com composições próprias e arranjo musical de Jorge Falcon. Com o mesmo show, participou dos projetos: “Musica nos Parques”, “Domingo Onze e Meia”, “Virada e Corrente Cultural de Curitiba” e “Paiol Convida”, onde dividiu o palco com a percussionista paulista Simone Soul. Em dezembro de 2013 iniciou a gravação do seu primeiro CD solo com o mesmo nome do show “Mar de Dentro”.
 
Apoios - Realizada pela Prefeitura Municipal e Fundação Cultural de Curitiba, por meio do Instituto Curitiba de Arte e Cultura (ICAC), a Oficina de Música 2015 tem como principal patrocinadora a própria Prefeitura, além de participação da Copel e da Caixa. São apoiadores master a Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) e a Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR).
Em 2015, os principais parceiros da Oficina de Música de Curitiba são a Rádio Lúmen FM, o Centro Cultural Teatro Guaíra, Consulado Geral dos Estados Unidos em São Paulo, Consulado Geral da França em São Paulo, Consulado Geral da República da Polônia em Curitiba, Curitiba Hostel, Família Farinha, E-Paraná, Escola de Música e Belas Artes do Paraná (Embap), Faculdade de Artes do Paraná (FAP), Instituto Goethe de Curitiba, Secretaria de Estado da Cultura, SESC da Esquina e Paço da Liberdade, Universidade Federal do Paraná (UFPR)/Pró-Reitoria de Extensão e Cultura.
 
Serviço:
33ª Oficina de Música de Curitiba – 23ª Oficina de MPB
Show “Mar de Dentro”, de Thayana Barbosa
Local: Teatro do Paiol – Praça Guido Viaro, s/nº - Prado Velho
Data: 21 de janeiro de 2015 (quarta-feira), às 19h
Ingressos: R$ 10 e R$ 5

 

 
publicado por o editor às 22:26
link | comentar | favorito

Trio Corrente, Aline Morena e Grupo Choro e Seresta estão na programação desta terça, na 33ª Oficina de Música

 

 

 

 
 


        A segunda fase 33ª Oficina de Música de Curitiba, dedicada à música popular brasileira, tem três espetáculos programados para esta terça-feira (20). O roteiro de shows começa com o grupo Choro e Seresta, às 19h, no Teatro do Paiol. Às 20h, a cantora Aline Morena se apresenta no Canal da Música, com a participação especial do instrumentista Hermeto Pascoal. A noite termina com o Trio Corrente, às 21h, no Teatro da Reitoria da UFPR.
            O conjunto Choro e Seresta é o grupo de choro mais tradicional e mais importante de Curitiba. Está em atuação há 41 anos e, durante a Oficina de Música, faz oshow de lançamento do álbum “Gerações”. A tradicional apresentação aos domingos, na feirinha do Largo da Ordem, é ao mesmo tempo um núcleo de referência musical de choro na cidade, e um cartão postal da capital paranaense. Suas apresentações semanais estão consagradas no circuito musical curitibano, atraindo amantes do gênero, músicos e turistas.
O conjunto é formado por músicos de três gerações. Em ordem cronológica os integrantes são: Moacyr Azevedo, 87 anos, da primeira geração, integrante do conjunto desde a sua formação original, Glay Bastos, Joãozinho do Pandeiro e Wilson Moreira da segunda geração e Lucas Melo, Marco Filgueiras e Clayton Silva da terceira geração de músicos.
 
Sensações – A cantora Aline Morena lança o álbum “Sensações”, em que mostra seu talento também como instrumentista. Além de cantora, Aline toca piano, viola caipira e cavaquinho. Sua performance inclui também percussão corporal e na água. No espetáculo, Aline Morena conta com a participação especial de Hermeto Pascoal, e ainda da banda formada por João Pedro Teixeira (acordeom), Rodrigo Marques (baixo) e Márcio Rosa (bateria e percussão). O espetáculo conta com dançarinos convidados – Jall Martins, Pamela Ribeiro e Rodrigo Costa.
 
O premiado Trio Corrente – Ganhador do prêmio Grammy de Melhor Álbum de Jazz Latino em 2014, o Trio Corrente, formado por Fabio Torres (piano), Paulo Paulelli (baixo) e Edu Ribeiro (bateria), vem criando um som original, interpretando de forma única os clássicos do choro e da MPB. Nas performances do trio, aliam-se solos virtuosísticos e momentos de rara sutileza. Não foram poucas as comparações com os trios de samba jazz dos anos 60 como o Zimbo ou o Tamba Trio, mas o fato é que o Trio Corrente agrega novas maneiras de encarar os standards da música brasileira. Desde os primeiros concertos, o grupo vem juntando um número de seguidores cada vez maior, formado não só por apaixonados pelo jazz e pelo choro mas também pelo grande público.
Poucos grupos de jazz brasileiros têm se apresentado tanto no circuito nacional e internacional. Desde 2009, o Trio Corrente multiplica as colaborações com grandes nomes da música: Foram shows com Joyce Moreno, Hamilton de Holanda, Leila Pinheiro, Mônica Salmaso, Anthony Wilson, Mike Stern, Stacey Kent e Paquito D’Rivera. Em 2011, o trio gravou o seu segundo álbum Volume 2, e, em 2013, com Paquito D’Rivera, o álbum Song For Maura, que ganhou o Grammy de Melhor Álbum de Jazz Latino.
 
Apoios - Realizada pela Prefeitura Municipal e Fundação Cultural de Curitiba, por meio do Instituto Curitiba de Arte e Cultura (ICAC), a Oficina de Música 2015 tem como principal patrocinadora a própria Prefeitura, além de participação da Copel e da Caixa. São apoiadores master a Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) e a Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR).
Em 2015, os principais parceiros da Oficina de Música de Curitiba são a Rádio Lúmen FM, o Centro Cultural Teatro Guaíra, Consulado Geral dos Estados Unidos em São Paulo, Consulado Geral da França em São Paulo, Consulado Geral da República da Polônia em Curitiba, Curitiba Hostel, Família Farinha, E-Paraná, Escola de Música e Belas Artes do Paraná (Embap), Faculdade de Artes do Paraná (FAP), Instituto Goethe de Curitiba, Secretaria de Estado da Cultura, SESC da Esquina e Paço da Liberdade, Universidade Federal do Paraná (UFPR)/Pró-Reitoria de Extensão e Cultura.
 
Serviço:
33ª Oficina de Música de Curitiba – 23ª Oficina de MPB
Grupo Choro e Seresta – lançamento do CD “Gerações”
Local: Teatro do Paiol – Praça Guido Viaro, s/nº - Prado Velho
Data: 20 de janeiro de 2015 (terça-feira), às 19h
Ingressos: R$ 10 e R$ 5
 
Aline Morena
Local: Canal da Música – R. Júlio Perneta, 695 - Mercês
Data: 20 de janeiro de 2015 (terça-feira), às 20h
Ingressos: R$ 30 e R$ 15
 
Trio Corrente
Local: Teatro da Reitoria da UFPR – R. 15 de Novembro, 1299 - Centro
Data: 20 de janeiro de 2015 (terça-feira), às 21h
Ingressos: R$ 10 e R$ 5
 

 

 
publicado por o editor às 22:16
link | comentar | favorito
Segunda-feira, 19 de Janeiro de 2015

Orquestra À Base de Corda e Lívia Nestrovski comemoram os 100 anos de Dorival Caymmi  

 

 

 
 
A 33ª Oficina de Música de Curitiba comemora os 100 anos do compositor Dorival Caymmi com o espetáculo da Orquestra À Base de Corda, nesta segunda-feira (19), às 21h, no Teatro da Reitoria da UFPR. A cantora Lívia Nestrovski é a convidada especial para interpretar os maiores sucessos do compositor – O Mar, Das Rosas, Só Louco, Maracangalha, Samba da Minha Terra e muitos outros. Na abertura do show, a orquestra executa “Caymmiana”, de Radamés Gnattali.
Esse encontro musical permite apreciar a performance musical da cantora Lívia Nestrovski, consagrada nacionalmente. Nascida nos Estados Unidos, mas vivendo há anos no Brasil, Lívia é formada em Canto Popular pela Unicamp, com mestrado em Musicologia pela Uni-Rio. Desde 2008 atua como solista de Arrigo Barnabé que, em entrevista recente, destacou-a como sendo "tranquilamente uma das maiores vozes de sua geração".
O espetáculo é também mais uma oportunidade de assistir à orquestra curitibana. Mantida pela Fundação Cultural de Curitiba, a Orquestra À Base de Corda foi criada por Roberto Gnattali em 1998. Dedicada à pesquisa e à divulgação da música brasileira, a orquestra possui formação instrumental ímpar – desde 2001 conta com violino, bandolim, cavaquinho, viola caipira, violão, violão 7 cordas, piano e percussão o que confere ao grupo sonoridade bastante particular. Seu repertório procura abranger diversos períodos da história da música popular brasileira e inclui composições de seus integrantes.
Os arranjos são especialmente elaborados por músicos da orquestra e por nomes como Paulo Bellinati, Maurício Carrilho, Leandro Braga, Dante Ozzetti, Jayme Vignoli, Mario Manga, André Abujamra, Paulo Aragão, Josimar Carneiro. Já teve como convidados Mônica Salmaso, Roberto Corrêa, Ceumar, Pedro Amorim, Dominguinhos, Joel Nascimento, Andréa Ernest Dias, Caíto Marcondes, Maurício Carrilho, Zé Renato, Ná Ozzetti, Renato Borghetti, André Abujamra, Carlos Malta, Dimos Goudarolis, Zeca Baleiro e Paulinho Moska. Em 2008 lançou seu primeiro CD Antiqüera, ao lado do violeiro Roberto Corrêa, tendo sido indicado para o Prêmio Rival. Em 2009, ao lado de Roberto Corrêa, participou da gravação do programa Instrumental SESC Brasil, em São Paulo.
 
Molungo – O grupo Molungo aproveita a 33ª Oficina de Música para fazer o lançamento de novo álbum, “Mais Agreste”, que confirma a característica do grupo, voltado à divulgação e à pesquisa dos ritmos afro-brasileiros. O show de lançamento acontece nesta segunda-feira, às 19h, no Teatro do Paiol.
Atualmente formado por Caio Guimarães, Cauê Menandro, Carlito Birolli, Gui Handa, Luís Piazzetta e Fernando Lobo, o Molungo foi criado em 2008 em Curitiba, a partir do interesse comum dos músicos pela cultura popular brasileira. O encontro deu-se em um grupo de estudo percussivo de maracatu de baque virado, porta de entrada que despertou a identificação dos integrantes com os diferentes ritmos da música brasileira.
Em 2009 lançaram seu primeiro CD autoral intitulado “Molungo” e circularam com o show em teatros, mostras e festivais do Brasil, firmando seu nome no Paraná e expandindo seu trabalho para outras regiões do país. Dessa trajetória de shows, viagens, troca de experiências e pesquisa de outras sonoridades surgiram novas composições, arranjos e timbres que resultaram em “Mais Agreste”, título que dá nome ao novo disco de canções autorais.
 
Apoios - Realizada pela Prefeitura Municipal e Fundação Cultural de Curitiba, por meio do Instituto Curitiba de Arte e Cultura (ICAC), a Oficina de Música 2015 tem como principal patrocinadora a própria Prefeitura, além de participação da Copel e da Caixa. São apoiadores master a Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) e a Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR).
Em 2015, os principais parceiros da Oficina de Música de Curitiba são a Rádio Lúmen FM, o Centro Cultural Teatro Guaíra, Consulado Geral dos Estados Unidos em São Paulo, Consulado Geral da França em São Paulo, Consulado Geral da República da Polônia em Curitiba, Curitiba Hostel, Família Farinha, E-Paraná, Escola de Música e Belas Artes do Paraná (Embap), Faculdade de Artes do Paraná (FAP), Instituto Goethe de Curitiba, Secretaria de Estado da Cultura, SESC da Esquina e Paço da Liberdade, Universidade Federal do Paraná (UFPR)/Pró-Reitoria de Extensão e Cultura.
 
Serviço:
33ª Oficina de Música de Curitiba – 23ª Oficina de MPB
Grupo Molungo – lançamento do CD “Mais Agreste”
Local: Teatro do Paiol – Praça Guido Viaro, s/nº - Prado Velho
Data: 19 de janeiro de 2015 (segunda-feira), às 19h
Ingressos: R$ 10 e R$ 5
 
Orquestra À Base de Corda e Lívia Nestrovski
Local: Teatro da Reitoria da UFPR – R. 15 de Novembro, 1299 - Centro
Data: 19 de janeiro de 2015 (segunda-feira), às 21h
Ingressos: R$ 10 e R$ 5

 

 
publicado por o editor às 14:01
link | comentar | favorito

.tags

. todas as tags

.arquivos

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

.subscrever feeds