Sábado, 30 de Outubro de 2010

CD Jagannath Swami



Lançamento!



CD Jagannath Swami







O novo CD de Sadhu Sanga Das!



São 11 canções da tradição Vaisnava em ritmo de rock, pop e bossa nova!



Todas as músicas poderão ser inteiramente ouvidas em: http://www.reverbnation.com/sadhusangadas.



Mas caso realmente goste, encorajo-o(a) a visitar a loja virtual do mesmo site e baixar a(s) música(s) que mais gostar.

 

publicado por o editor às 13:05
link | comentar | favorito
Sexta-feira, 25 de Junho de 2010

Vale Verde Festival Ambiental - Tamanduá sem Bandeira



clique para ampliar

 

publicado por o editor às 01:19
link | comentar | favorito
Segunda-feira, 14 de Junho de 2010

Baladeva Vidyabhusana, o Vedantista Gaudiya - 2








Baladeva Vidyabhusana, The Gaudiya Vedantist

Dayananda dasa e Nandarani devi dasi



parte 2 de 2



Resumo da Parte 1



No começo do século XVIII, após vigoroso estudo da filosofia Vedanta, Baladeva Vidyabhusana aceitou os ensinamentos do Senhor Caitanya como a mais elevada revelação da Verdade Absoluta. Enquanto isso, uma seita no Rajastão conhecida como os Ramanandis estava questionando a autenticidade do movimento do Senhor Caitanya. Embora os Ramanandis estivessem florescendo sob o patronato do rei Jai Singh, o rei favoreceu os Gaudiyas (seguidores do Senhor Caitanya) e era devoto de Govinda, uma de suas principais Deidades.



Os Ramanandis alegaram que os seguidores do Senhor Caitanya eram externos às quatro linhas (sampradayas) discipulares reconhecidas, em razão do que não tinham posição válida. Se os Gaudiyas fracassassem na defesa da legitimidade do movimento do Senhor Caitanya, eles poderiam perder toda respeitabilidade e até mesmo o direito de adorar Govinda. Visvanatha Cakravarti Thakura, o líder dos Gaudiyas em Vrndavana, viram em Baladeva o qualificado defensor do Vaisnavismo Gaudiya.


Parte 2



Jai Singh preparou-se para o confronto religioso que ele sabia ser inevitável. Ele reuniu e estudou os escritos da seita Gaudiya e os comparou aos escritos de outras sampradayas Vaisnavas. Ele estudou o Bhagavata Purana e seus comentários de Sridhara Svami, Sanatana Gosvami e Jiva Gosvami. Ele entregou-se ao estudo do Vedanta-sutra e de seus comentários compostos por Sankara, Ramanuja, Madhva, Vallabha e Nimbarka. Ele também examinou as obras de Sanatana Gosvami, Rupa Gosvami, Gopala Bhatta Gosvami, Jiva Gosvami e Krsnadasa Kaviraja Gosvami, os principais teólogos da escola Gaudiya. E ele leu o Gita-govinda, de Jayadeva, a poesia que frequentemente evocou expressões de amor extático em Caitanya Mahaprabhu.



Jai Singh queria conciliar as diferenças entre as principais seitas do Vaisnavismo. Ele acreditava que essas diferenças não tinham base filosófica, logo porfiar continuamente não seria de nenhuma utilidade real. Tendo completado sua pesquisa, ele compôs uma tese intitulada Brahma-bodhini, advogando a unidade dos Vaisnavas.



A atração do rei por Krsna havia sido despertada durante sua primeira visita a Vrndavana, como uma criança de sete anos de idade. Ele fora convidado a ir para lá por seu pai, o comandante militar do distrito, o qual havia sido encarregado de proteger as caravanas entre Agra e Mathura. A partir dessa pouca idade, Jai Singh passou a considerar-se devoto de Krsna. Agora, seu estudo dos escritos dos Gosvamis de Vrndavana cristalizou seus sentimentos. Sua devoção a Radha e Krsna, porém, seria testada pelos Ramanandis.



“Os Gaudiyas não devem adorar Radha e Krsna juntos”, os Ramanandis disseram-lhe. “Radha e Krsna não são casados. Não há precedentes dEles sendo adorados juntos! Sita e Rama ficam juntos, e Laksmi e Narayana, porque são casados. Radha e Krsna, contudo, não são casados”.



Agora os Ramanandis estavam incrementando a contenda. Eles não apenas criticaram a linhagem Gaudiya, mas também apontaram uma falha no método Gaudiya de adoração. Os Ramanandis exigiram que Radha fosse removida do altar principal e colocada em outra sala, para ser adorada separadamente.



Jai Singh enviou sua palavra aos mahantas (autoridades religiosas) dos templos Gaudiyas. “Vocês têm de preparar uma resposta às críticas verbalizadas pelos Ramanandis do vale Galta. Sou simpático à filosofia e à prática de vocês, mas sua resposta deve ser adequada para silenciar os panditas Ramanandis, ou então serei forçado a separar Radha de Krsna”.



Os mahantas dos quatro principais templos Gaudiyas de Amber enviaram sua resposta por escrito. Eles explicaram que Rupa, Sanatana e Jiva Gosvamis compartilhavam da mesma opinião acerca de Radha e Krsna: Eles podiam ser adorados ou como casados (svakiya-rasa) ou como solteiros (parakiya-rasa), dado que ambos esses passatempos (lila) são eternos. A adoração de Krsna em qualquer lila é adequada para o estabelecimento da relação eterna de um devoto com o Supremo.



Os Ramanandis rejeitaram esses argumentos. Lutando por seu poder religioso e político, eles novamente buscaram por Jai Singh.



Como Radha e Krsna não eram casados, os Ramanandis queixaram-se, adorá-lOs juntos era mostrar condescendência com a relação questionável dEles. Os Ramanandis também criticaram os Gaudiyas por adorarem Krsna sem antes adorarem Narayana.



A fim de apaziguar os Ramanandis, Jai Singh disse-lhes que iria solicitar aos Gaudiyas que deixassem a Deidade de Radharani em uma sala separada. Ele também lhes pediria que explicassem sua transgressão da etiqueta Vaisnava negligenciarem a adoração a Narayana, e solicitaria que provassem sua conexão com a Madhva-sampradaya.

Visvanatha Encarrega Baladeva



Visvanatha Cakravarti, um estudioso de grande renome, viveu em Vrndavana nessa época. Visvanatha nasceu em 1646, em uma vila bengali chamada Saidabad, onde passou os primeiros anos de sua vida. Assim como outros jovens aspirantes à vida renunciada, Visvanatha teve problemas com sua família, a qual lhe prometeu em casamento ainda jovem de modo a prendê-lo na vida doméstica. Como um jovem casado, Visvanatha estudou extensivamente, e, enquanto vivia com sua família em Saidabad, escreveu brilhantes comentários a escrituras Vaisnavas.

Durante sua vida em Saidabad, Visvanatha recebeu iniciação de Radha-ramana Cakravarti e estudou o Srimad-Bhagavatam e outras escrituras Vaisnavas com o pai de Radharamana, Krsnacarana Cakravarti. Radha-ramana era distanciado por três gerações do principal preceptor de sua linha, Narottama dasa Thakura.



Por fim, Visvanatha deixou sua família e partiu para Vrndavana, onde viveu no Radha-kunda. Ele aceitou formalmente as vestes de um renunciante e passou então a ser conhecido como Harivallabha. Ele continuou a escrever e a pregar, e, por fim, tornou-se o líder da comunidade Gaudiya em Vrndavana.



Quando ocorreu o evento de Govinda mudar-Se para o Rajastão em 1707, Visvanatha tinha mais de sessenta anos. O idoso erudito acompanhou interessado os desenvolvimentos em Amber. O que se daria com Govinda e Seus sacerdotes naquele ambiente pluralístico, no vórtice das forças opostas da devoção do jovem rei, do antagonismo dos Ramanandis, e da presença ameaçadora de muitíssimas seitas?



Visvanatha regularmente comunicava-se com os mahantas dos templos Vaisnavas em Amber. Conquanto ele houvesse esperado por problemas com os Ramanandis, o litígio demorou alguns anos antes de intimidar os sacerdotes Gaudiyas ou afetar a adoração à Deidade. Agora, ele sabia, eles já se desesperavam diante do crescente antagonismo dos Ramanandis.



Visvanatha buscou por Baladeva. “Precisamos refutar os pontos dos Ramanandis”, Visvanatha disse ao seu favorito. “Não será fácil, mas podemos derrotá-los”.



Baladeva enfureceu-se com a presunção das críticas dos Ramanandis. “Por que devemos estabelecer a legitimidade de nossa linhagem?”, ele exigiu. “O Senhor Supremo, Sri Krsna, apareceu como o Senhor Caitanya a fim de estabelecer a verdadeira religião para esta Era de Desavenças. Quando o próprio Deus origina uma tradição religiosa, quem ousaria questionar a legitimidade da mesma?”.



“Os Ramanandis questionam”, Visvanatha respondeu, “e eles fundamentam sua crítica na declaração do Padma Purana de que, nesta era, há quatro sampradayas, ou linhas de sucessão discipular. O Purana diz o seguinte”.



sri-brahma-rudra-sanaka
vaisnava-ksiti-pavanah
catvaras te kalau bhavya
hy utkale purusottama



“O significado é que as quatro sampradayas Vaisnavas – Sri, Brahma, Rudra e Kumara – purificam a Terra”.



“Sim”, respondeu Baladeva, “eu conheço o verso. E os Ramanandis dizem que as palavras utkale purusottama significam que essas quatro sampradayas têm seus monastérios na Orissa, em Purusottama-ksetra, a cidade de Jagannatha Puri”.



“Porém, o verdadeiro significado”, prosseguiu Baladeva, “é que o Senhor Supremo, Purusottama, é a quintessência dessas quatro sampradayas. E, quando Ele aparece em Kali-yuga, Ele vive em Jagannatha Puri, como Sri Caitanya Mahaprabhu. Desta maneira, a linhagem Gaudiya não é uma quinta sampradaya, mas a essência das quatro”.



Visvanatha e Baladeva passaram a noite discutindo os outros pontos de contenda dos Ramanandis em relação ao movimento do Senhor Caitanya. Eles desenvolveram a estratégia por meio da qual derrotariam os Ramanandis.



Visvanatha enviou Baladeva com Krsnadeva Sarvabhauma a Amber. A chegada de Baladeva lá foi inesperada. Ele era novo na comunidade Gaudiya, desconhecido mesmo entre os mahantas Gaudiyas de Amber. E ele era jovem. Ninguém, nem mesmo de sua própria tradição, suspeitava que um gigante filosófico vivia dentro da despretensiosa forma daquele santo Gaudiya de Vrndavana. Baladeva encontrou dificuldades para obter uma audiência com o rei. E, quando finalmente o conseguiu, os Ramanandis na corte estavam prontos para ele.



“Majestade”, Baladeva disse ao rei. “Estou aqui de modo a dar cabo das dúvidas atinentes à Gaudiya-sampradaya e seus métodos de adoração”.



“Vossa alteza”, um pandita Ramanandi tomou rapidamente a palavra, “solicitamos autorização para nos dirigirmos diretamente a ele!”.



Jai Singh voltou-se a Baladeva. “Vocês podem falar”, o rei disse, confiante de que, se Krsna era de fato o Senhor Supremo, Krsna providenciaria Sua própria defesa.



Os Ramanandis deram início com um ataque o qual eles acreditavam que certamente garantiria sua autoridade.



“O problema”, eles disseram a Baladeva, “é que você não pertence a uma sampradaya apropriada. Nós, portanto, não podemos aceitar a literatura escrita pelos seus panditas”.



“Eu sou da Madhva-sampradaya”, Baladeva declarou confiante.



“Fui iniciado em Mysore por um Tirtha da ordem Madhva. Todavia, Radhadamodara Gosvami e Visvanatha Cakravarti da Gaudiya-sampradaya também são meus gurus. Eles me ensinaram a filosofia Bhagavata”.



Os Ramanandis ficaram surpresos. A iniciação Madhva de Baladeva significava que eles teriam de aceitá-lo como um sannyasi e um pandita qualificado de uma linhagem autorizada. Eles tinham a esperança, contudo, de que sua pouca idade poderia indicar alguma carência de perícia. Eles se recompuseram. “Você talvez seja da Madhva-sampradaya, mas os outros Gaudiyas não o são!”.



Baladeva reteve sua dignidade e apresentou uma evidência-chave. “Este é o Gaura-ganoddesa-dipika, escrito por Kavi Karnapura há mais de cem anos. Este manuscrito detalha a nossa linhagem oriunda de Madhva”. Baladeva apresentou o manuscrito para inspeção.



Os Ramanandis novamente redarguiram: “Se os Gaudiyas clamam descenderem de Madhva, então vocês devem basear seus argumentos no comentário de Madhva ao Brahma-sutra. Sabemos que os Gaudiyas não têm nenhum comentário próprio”.



Baladeva pensou por um momento. Os Gaudiyas jamais haviam escrito um comentário ao Vedanta-sutra porque aceitavam o Srimad-Bhagavatam como o comentário natural. Vyasa é o autor de ambas as outras, e o Senhor Caitanya ensinou que, quando o autor comenta sua própria obra, sua opinião é a melhor.



Baladeva sabia que os Ramanandis rejeitariam esse argumento. Ele também sabia, entretanto, que, caso utilizasse o comentário de Madhva, ele teria dificuldades, dado que o comentário de Madhva não justificaria o estilo de adoração praticado pelos Gaudiyas. Baladeva, por conseguinte, decidiu que precisaria escrever pessoalmente um comentário Gaudiya. Este comentário deveria ser baseado no comentário de Madhva, mas poderia ter algumas diferenças admissíveis. “Mostrarei a vocês o nosso comentário”, Baladeva disse. “Por favor, permitam que eu o traga”.



“Perfeitamente, solicite então o envio do mesmo”, consentiu o porta-voz Ramanandi.



“Isso não será possível”, respondeu Baladeva. “Precisarei de alguns dias para escrevê-lo”.



Os Ramanandis ficaram atônitos. Seria Baladeva capaz de produzir um comentário dentro de poucos dias? Que audácia! Contudo, caso Baladeva pudesse realmente produzi-lo, a posição dos Ramanandis poderia ser ameaçada. Será que deveriam conceder-lhe o tempo por ele solicitado?



Antes que pudessem dizer algo, o rei Jai Singh se interpôs. “Sim, o tempo está concedido. Prepare o seu comentário e notifique-nos quando ele estiver pronto. Você precisa saber que, a não ser que apresente um comentário apropriado, aceitaremos as críticas dos Ramanandis como válidas. Eu, porém, não atenderei nenhuma exigência deles até que você tenha tido a oportunidade de apresentar seu comentário e seus argumentos”.


Govindaji Inspira Baladeva



Baladeva deixou a assembléia, seguido por Krsnadeva Sarvabhauma. Baladeva viu-se um títere nas mãos do Senhor. Ele havia falado destemidamente na assembléia, mas iria o Divino Titereiro guiar sua escrita?



Baladeva partiu para Govindapura. Colocando-se diante de Govinda, ele ajoelhou-se e orou. “Ó Govinda, Vosso devoto Visvanatha enviou-me aqui a fim de defender tanto Vós como Vossos devotos, mas não sou capaz de fazê-lo! Sou simplesmente uma alma caída em ignorância. Caso queirais, podeis dotar-me de poder para escrever um comentário ao Vedanta-sutra que Vos glorifique. Caso queirais, escreverei as verdades que aprendi com Vossos devotos e com Vossa escritura. E tenho fé de que, mediante a misericórdia que Vós podeis conceder, essas verdades se mostrarão absolutamente lógicas”.



Baladeva então começou a escrever. Fazendo raras pausas para descansar, ele escrevia, e orava, e então escrevia novamente. Dias se passaram, e noites, mas ele não parou. Alguns historiadores dizem que ele escreveu ao longo de um mês. Outros dizem que ele precisou de apenas sete dias.



Em todo caso, Baladeva logo retornou de Govindapura. Com o evento de sua chegada, intensa expectativa se fez presente em todos. Jai Singh, esperando ver os Gaudiyas vindicados, estava especialmente ansioso por ler o comentário. Os Ramanandis, por outro lado, aguardavam o comentário com certo temor, esperando que pudessem derrotá-lo prontamente.



Baladeva entrou na corte do debate convocado em Galta. Ele ficou de um lado com os mahantas Gaudiyas. Diante deles, estavam os panditas Ramanandis. O rei Jai Singh presidia o evento, e uma audiência de nobres e estudiosos formava a platéia.



Com a permissão do rei, Baladeva pôs-se de pé.



“Este comentário”, ele disse mostrando sua obra, “baseia-se no comentário de Madhva, mas há importantes referências. Caso seja examinado, constatar-se-á que ele defende a filosofia Gaudiya, ensinada pelo Senhor Caitanya”.



Um pandita Ramanandi caminhou até Baladeva e pegou o comentário.



“Quem é o autor desta obra?”, ele perguntou.



Baladeva respondeu: “O nome do comentário é Govinda-bhasya. Govinda inspirou essa obra. Eu forneci os significados diretos dos sutras de acordo com o desejo de Sri Caitanya Mahaprabhu. E meus comentários são baseados nos ensinamentos dos meus gurus”.



Os eruditos membros do contingente Ramanandi examinaram a primeira porção do bhasya de sorte a determinar se o mesmo era como declarado por Baladeva.



Um porta-voz admitiu: “A influência de Madhva é certamente demonstrável neste comentário, mas devemos examinar algumas das diferenças”.



Baladeva então abordou cada uma das objeções dos Ramanandis à adoração Gaudiya.



“Eu esclareço cada aspecto da prática Gaudiya no capítulo terceiro”, ele disse. “Uma vez que suas críticas referem-se ao nosso estilo de adoração, vocês deveriam consultar o capítulo terceiro a fim de verem como Vyasa, o autor do Vedanta-sutra, permite a nossa adoração”.



“Vocês objetam a nossa adoração de Radha com Govinda por meio do argumento artificial de que Eles não são casados. Nos versos de número quarenta a quarenta e dois, apresento a verdadeira posição de Radha em relação a Krsna. Radha é a energia interna de Krsna, e jamais é separada dEle. Sua relação pode ser parakiya ou svakiya, mas isso não afeta a eternidade de Sua união. A separação de Radha e Govinda efetuada por vocês é artificial e, portanto, ofensiva ao Senhor, o qual nutre profunda afeição por Sua energia feminina”.



“Vocês criticaram a nossa predileção por adorar apenas Krsna, negligenciando a adoração a Narayana, Visnu, o que, vocês dizem, é compulsório a todos os Vaisnavas. Abordo esse ponto em meus comentários ao verso quarenta e três. Segundo o Vedanta-sutra, Narayana pode ser adorado em qualquer uma de Suas formas, inclusive Krsna. Nenhuma injunção escritural proíbe a adoração de Govinda em exclusão a Narayana”.



Baladeva prosseguiu discursando enquanto os Ramanandis permaneciam parados e indefesos. Ele falou eloquente e exaustivamente. Uma refutação dos Ramanandis em momento algum se desenvolveu.



Ao fim da apresentação de Baladeva, o rei Jai Singh aguardou, ponderando acerca das evidências. O silêncio dos Ramanandis confirmou sua opinião pessoal.



Ele apresentou sua decisão em uma afirmativa breve, mas conclusiva: “A evidência advogando a favor da legitimidade Gaudiya é incontestável. De agora em diante, os Gaudiyas serão reconhecidos e respeitados como uma seita religiosa autorizada. Ordeno a reunião de Radha com Govinda”.



Os mahantas Gaudiyas em Amber, finalmente livres das condenações dos Ramanandis, celebraram o evento construindo um templo da vitória sobre a colina a contemplar do alto o vale Galta. A Deidade do templo foi apropriadamente chamada de Vijaya Gopala, “o Vitorioso Gopala”.


Aos Pés de Govinda



Baladeva retornou para Vrndavana, onde assumiu a liderança da comunidade Gaudiya. Ele continuou a escrever. Fiel a Jiva Gosvami e devotado ao Senhor Caitanya, ele produziu comentários aos dez principais Upanisads e a nove obras dos Gosvamis de Vrndavana. Ele também escreveu obras originais sobre gramática, drama, prosódia e poesia. Ele permaneceu a inquestionável autoridade em teologia Vaisnava até sua morte.



Com a vitória de Baladeva sobre os Ramanandis, Jai Singh ficou satisfeito. Ele havia encontrado a síntese das religiões Vaisnavas. E Radha havia sido reunida a Govinda no altar, como é na eternidade. Jai Singh dedicou-se a Govinda e viveu uma vida longa e produtiva como rei e estudioso.



Em 1714, Jai Singh mudou Govinda para os jardins Jai Nivasa e O instalou em um jardim doméstico, onde foi adorado por vinte e um anos. Em 1735, o rei construiu um templo para Govinda dentro do complexo do palácio em Jaipur. Jai Singh posteriormente instalou Govinda como o rei de Jaipur e aceitou para si a posição de ministro. Desde então, seu brasão real lê: sri govinda-deva carana savai jai singh sharana: “O Senhor Govinda, em cujos pés Jai Singh se refugia”.


Referências



Jiva Gosvami Tattvasandarbha, Stuart Mark Elkman (O comentário de Elkman inclui os comentários de Bhaktivinoda Thakura sobre Baladeva Vidyabhusana), Motilal Benarsidass, 1986.

Sri Sri Gaudiya Vaisnava Abhidana, Sri Haridas Das, Haribol Kutir, Sri Dhama Navadvipa, 1955.

History and Culture of the Indian People, Vol. VII, R. C. Majumdar e outros, Bharatiya Vidya Bhavan, Bombaim, 1974.

Mathura, A District Memoir, Frederick S. Growse, Oudh Government Press, Allahabad, 1883.

Literary Heritage of the Rulers of Amber and Jaipura, Gopal Narayana Bahura, City Palace Museum, Jaipura, 1976.

Jaipur City, A. K. Roy (editora e data desconhecidos).





Tradução de Bhagavan dasa (DvS) – Outras traduções, incluindo o comentário de Visvanatha Cakravarti ao Bhagavad-gita e o Gaura-ganoddesa-dipika, disponíveis em www.devocionais.xpg.com.br

********

 

publicado por o editor às 10:32
link | comentar | favorito
Quarta-feira, 2 de Junho de 2010

Hare Krishna! Todas as glórias a Srila Prabhupada!



Livros em Áudio: Muitas vezes a correria nos deixa sem tempo para estudar os livros sagrados, algo que é essencial para o progresso em consciência de Krishna. Pensando nisso (e nos deficientes visuais), disponibilizamos os mais importantes escritos de Sua Divina Graça A. C. Bhaktivedanta Swami Prabhupada em MP3. Já temos disponível o 1º Canto do Srimad Bhagavatam, o Sri Isopanishad e o Livro “Krsna, A Suprema Personalidade de Deus”! Os arquivos podem ser baixados gratuitamente aqui: http://pt.krishna.com/main.php?id=399.



Aulas de Srila Prabhupada em Português: Novas aulas carregadas aqui no Krishna Online: http://www.krishnaonline.com.br/.



Vídeos de Srila Prabhupada com legendas em Português: Veja aqui uma crescente série de vídeos de Srila Prabhupada, com legendas em Português: http://www.youtube.com/bhagavata108.

LEIA MAIS EM ****

 

publicado por o editor às 08:36
link | comentar | favorito
Quarta-feira, 19 de Maio de 2010

Caminho Vaikuntha no dia 26/05



********

 

publicado por o editor às 07:24
link | comentar | favorito
Quinta-feira, 1 de Abril de 2010

MEDICINA AYURVÉDICA


CURSO DE

 

MEDICINA AYURVÉDICA

 

1) Anatomia: na visão Ayurveda;

 

2) Fisiologia: na visão Ayurveda;

 

3) Nutrição: na visão Ayurveda;

 

4) Herbologia: principais ervas brasileiras e suas utilizações na visão Ayurveda;

 

5) Tratamentos tradicionais da Medicina Indiana: Shirodhara, Pinda Sweda, Massagem com os pés, etc;

 

6) Estética: Tratamentos estéticos com base em substâncias naturais;

 

7) Massagem: diferentes sistemas utilizando-se das mãos e dos pés;

 

8) Aromaterapia: a utilização de óleos essenciais na medicina e na estética;

 

9) Gemoterapia: uso de pedras preciosas e semipreciosas no tratamento e prevenção de enfermidades;

 

10) Culinária Ayurvédica: Receitas e dietas em funções dos Tri-Doshas;

 

11) Práticas realizadas na própria clinica: dando um maior dinamismo ao curso, propiciamos aos alunos a oportunidade de realizar e passar pelas terapias estudadas;

 

12) Herbário: mais de 150 espécies de plantas medicinais.

 

 

Duração: 336 horas (distribuidas em 02 anos), sendo as aulas no último final de semana de cada mês.

 

Inicio: 24 e 25 de Abril.

 

Horário: Sábado das 09h às 18h e Domingos das 8h às 15h.

 

Local: Fazenda Nova Gokula - Pindamonhangaba-SP.

 

Investimento: R$ 270,00 mensais, não incluindo hospedagem e refeição.

 

 

Maiores informações e contato: www.gangaspaayurvedico.com.br!

******

 

publicado por o editor às 22:28
link | comentar | favorito
Quinta-feira, 18 de Fevereiro de 2010

Jesus - O Profeta do Oriente


JESUS - O PROFETA DO ORIENTE
de Michael Amaladoss

Páginas: 192


 

Jesus é oriental. Mas devido a circunstâncias históricas ele volta agora ao Oriente Médio como europeu. Michael Amaladoss empenha-se neste livro para redescobrir Jesus, o Profeta do Oriente. Ele se pergunta: "Se o cris­tianismo tivesse se difundido pelo Oriente e não pela Europa, que denominações e símbolos os orientais te­riam usado para compreender Jesus? O autor seleciona nove imagens de Jesus - o Sábio, o Caminho, o Guru, o Avatar, o Satyagrahi, o Servidor, o Compassivo, o Dança­rino e o Peregrino - e mostra o significado dessas ima­gens na tradição religiosa e cultural oriental.

Jesus - O Profeta do Oriente não é um livro para se ler superficialmente. Ele deve levar à reflexão sobre as ima­gens no contexto da vida de Cristo. Pressupõe uma cer­ta familiaridade com a história de Jesus nos Evangelhos, mas todas as pessoas inspiradas por Jesus podem refle­tir produtivamente sobre essas imagens. E essa reflexão levará à comunhão.

O AUTOR
MICHAEL AMALADOSS, teólogo jesuíta, nasceu em Tamil Nadu, na índia. É autor de 22 livros e centenas de artigos. Atualmente é diretor do institute of Dialogue with Cultures and Religions, em Chenai, na índia.




UM LANÇAMENTO

publicado por o editor às 14:58
link | comentar | favorito
Sexta-feira, 5 de Fevereiro de 2010

SÃO PAULO RECEBE QUINTA EDIÇÃO DA FESTA DO ANO NOVO CHINÊS EM FEVEREIRO DE 2010


A festa integra o calendário de eventos mais importantes da capital e reuniu, na última edição, cerca de 200 mil pessoas nos dois dias, consolidando-se como uma das maiores celebrações fora da China. A entrada do Ano do Tigre será comemorada nos dias 6 e 7 de fevereiro.

Cerca de 200 mil pessoas são esperadas na Praça da Liberdade, para comemorar a entrada do Ano Novo Chinês nos dias 6 e 7 de fevereiro. A data mais importante do calendário do país oriental será comemorada pela quinta vez na cidade de São Paulo, com grande festa que mostra um pouco da milenar tradição chinesa.

No palco montado na Praça da Liberdade, academias de artes marciais, grupos de danças, músicas e organizações sociais apresentarão rituais e outras manifestações artístico-culturais típicas do país que desponta como grande potência econômica mundial. Também no Bairro da Liberdade, barraquinhas de comidas e artesanato típicos oferecerão varias opções da gastronomia chinesa aos interessados.

O evento é organizado pela JCI Brasil-China, entidade internacional que congrega jovens com idade entre 18 e 40 anos com a missão de difundir e promover a integração cultural entre os dois países. A entrada é gratuita. Para Jacqueline Huang, Presidente da JCI Brasil-China para 2009, o objetivo da festa é incentivar o intercâmbio cultural entre os dois países. “Nossa missão é apresentar esta cultura milenar desconhecida de muitos e que vai muito além do rolinho primavera e do tai-chi-chuan. E, na nossa opinião, isso tem dado certo. Na sua quinta edição, a festa já foi consolidada como grande evento cultural na capital e reconhecido internacionalmente como uma das maiores comemorações do Ano Novo Chinês fora da China”, explica.

No País de Origem
O Ano Novo Chinês é o feriado mais importante do calendário do país oriental. No período dos festejos, o país para por quinze dias para os preparativos, viagens e rituais que marcam a passagem do ano. Geralmente, são realizados grandes banquetes em casa ou em restaurantes e, nestes jantares, é comum uma grande variedade de pratos, muitos a base de peixe, símbolo da fartura.

É uma época também que muitos voltam para suas cidades de origem para visitar parentes e amigos, levando presentes e os tradicionais envelopes vermelhos que contêm dinheiro. O momento mais esperado da comemoração é a queima de fogos de artifício que, acreditam, atrai sorte e espanta as energias negativas.

O Ano do Tigre
Tradicionalmente, a festa está ligada ao Horóscopo Chinês, representado por doze animais, cada um trazendo suas características para o ano. O Tigre, homenageado neste ano, representa grandeza, fazendo com que tudo aconteça com maior intensidade nos seus anos regentes, nada acontece em escalas tímidas ou pequenas. O animal é ativo, aventureiro e desperta garra e desejo de realização nas pessoas que, com novas idéias, conseguem êxito profissional e pessoal.

Sobre a JCI Brasil-China
A JCI – Junior Chamber International – é uma ONG internacional que atua em mais de 115 países, com o objetivo de desenvolver a liderança entre jovens de todo mundo. Cada “capítulo” da JCI desenvolve, na sua localidade de atuação, atividades nas suas denominadas quatro áreas estratégicas de atuação: Comunitária, desenvolvendo o espírito de cidadania ativa em seus membros e na comunidade; Internacional, promovendo o intercâmbio internacional; Negócios, fomentando oportunidades de negócios para seus membros e Individual, com o oferecimento de cursos de capacitação para seus membros. Todas as atividades e práticas visam trazer mudanças positivas para os membros da JCI e também para a comunidade em geral.

O “capítulo” Brasil-China da JCI tem apenas cinco anos de atuação, mas de forma muito presente, realizando diversos eventos, palestras e encontros com temas de interesse à comunidade, além de promover e participar voluntariamente em ações sociais.

PROGRAMAÇÃO DE PALCO
PROGRAMAÇÃO DE EVENTOS (06-02-2008 - Sábado)
Horário Apresentação no Palco
12:00 Recepção de Autoridades
12:30 Cerimonial de Abertura
12:40 Culto ecumênico – Budismo / Igreja Protestante / Igreja Católica e Desfile das Academias
13:00 Cerimônia de prosperidade à São Paulo
13:10 Passagem do dragão
13:30 Desfile das Academias – chegada no palco
13:50 Caligrafia Chinesa
14:00 Apresentação infantil – chegada da primavera
14:05 Apresentação infantil
14:15 Apresentação Musical
14:30 Academia
14:50 Apresentação Musical
15:00 Apresentação de dança
15:05 Aula de Chinês
15:10 Pantomima
15:30 Pintura Chinesa (tigre)
15:45 Academia
16:00 Apresentação de coral infantil (3 músicas): áster Song; Ye Lai Xiang; Over the Rainbow – em chinês e inglês
16:25 Apresentação folclórica com a música: “Toda a montanha com as cores da primavera”
16:30 Aula de Chinês
16:40 Dança “A Primavera”
16:45 Gu Zheng (professora e alunas)
16:50 Dança “Meninas Lindas”
17:00 Tai Chi – Tai Ji Quan 24 formas ou da Saúde e Longividade
17:10 Tai Chi – Tai Ji Jian 32 formas ou Espada Tai Ji
17:20 Tai Chi – Leque Gonf Fu Tai Ji
17:30 Música Chinesa “Caminho do Céu” – sobre ferrovia ligando China e Tibete
17:40 Academia
18:00 Apresentação Musical – “Today you has to marry me”
18:10 Academia
18:30 Apresentação de músicas chinesas e variadas com Gu Zheng e banda (guitarra, teclado, bateria e baixo)
19:00 Academia
19:30 Desfile de Roupas Chinesas e Leão com poste
20:00 Contagem regressiva / Fogos de artifício


PROGRAMAÇÃO DE EVENTOS (07-02-2008 – Domingo)
Horário Apresentação no Palco
13:00 Cerimônia de Abertura
13:15 Academia
13:40 Dança "A Primavera"
13:50 Gu Zheng (professora e alunas)
14:00 Dança "Meninas Lindas"
14:10 Aula de Chinês
14:15 Apresentação Musical
14:30 Pantomima
14:40 Academia
15:00 Apresentação de coral infantil (3 músicas): Master Song; Ye Lai Xiang; Over the Rainbow - em chinês e inglês
15:20 Academia
15:40 Músicas
16:00 Música instrumental
16:20 Academia
16:40 Dança Folclórica
16:45 Apresentação Musical
16:55 Apresentação Musical
17:10 Academia
17:30 Desfile de Roupas Chinesas e Leão com poste
18:00 Encerramento e Agradecimento


publicado por o editor às 21:50
link | comentar | favorito

Congresso Ibérico de Astrologia 2010


publicado por o editor às 21:49
link | comentar | favorito
Quarta-feira, 3 de Fevereiro de 2010

A BIBLIA DO YOGA


A BIBLIA DO YOGA
de Christina Brown

Páginas: 400



O LIVRO

O yoga confere ao praticante não apenas flexibilidade, mas também bem-estar físico e espiritual. Com a descrição e ilustrações de mais de 170 posturas das principais correntes de yoga, A Bíblia do Yoga é o guia mais completo e abrangente para quem quer praticar o yoga e alcançar um equilíbrio físico e mental na vida. Este livro incentiva tanto o iniciante como o praticante experiente a encontrar a sequência de posturas que mais se adapta às suas necessidades e aptidões pessoais e beneficiar-se ao máximo dessa riquíssima prática milenar.





A AUTORA
Christina Brown tem 18 anos experiência na yoga abrangendo um vasto leque de tradições e vem ensinando doze anos. Publicou diversos livros incluindo cinco dedicados a Yoga. Seu livro é fruto de duas viagens de estudo aprofundado na Índia e estudou no Yoga Therapy Centre em Londres. Christina dirige o programa - Teacher Training Program at Life Source, onde ela dá aulas públicas, e conduz retiros .


**


UM LANÇAMENTO

publicado por o editor às 11:03
link | comentar | favorito

.tags

. todas as tags

.arquivos

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

.subscrever feeds