Domingo, 12 de Abril de 2015

Bixiga 70 lança terceiro disco no Sesc Pompeia dias 16 e 17 de abril

 


Revelação da cena instrumental brasileira apresenta as músicas de seu novo trabalho, que conta com o patrocínio do Petrobras Cultural

Após dois anos com a turnê do seu segundo álbum, a big band Bixiga 70 faz show nos dias 16 e 17 de abril, na Choperia do Sesc Pompeia, às 21h30. A apresentação marca o lançamento do seu terceiro trabalho,  que traz o mesmo nome da banda paulistana, assim como os dois discos anteriores.

Gravado em agosto de 2014, o “Bixiga 70”(2015),  diferentemente dos lançados anteriormente, foi inteiramente concebido dentro do estúdio em um processo coletivo de composição e arranjos sem idéias pré-concebidas, preservando ao máximo a liberdade criativa do conjunto. Em termos de sonoridade, o disco é um aprofundamento das raízes da banda que remetem aos pontos de candomblé, à música malinké do oeste africano, hip hop, funk latino, cena Black Rio dos anos 70 e à música de rua dos carnavais brasileiros, das ruas de São Luís do Paraitinga às ladeiras de Olinda. Auto-entitulado, o disco completa a trilogia com os primeiros álbuns na busca de um som único, atual, urgente e dançante, que só poderia ser produzido hoje numa megalópole em ebulição constante como São Paulo. 

Para o show na Choperia do Sesc Pompeia, o grupo apresentará um repertório recheado de canções inéditas do novo disco, “Bixiga 70” (2015), além de hits dos trabalhos lançados em 2011 e 2013. Selecionado pelo edital do Petrobras Cultural, o novo disco foi produzido pela big band no estúdio Traquitana, casa do Bixiga 70, mixado por Victor Rice e masterizado pelo produtor francês Grant Phabao, do coletivo Paris DJs.

A música do Bixiga 70 é alegre e festiva, marcas características da mistura de ritmos explorada pelo grupo,  porém com inovação e qualidade musical da produção parceira de seus integrantes. A influência do afrobeat – citada nas boas críticas do primeiro disco, de 2011, e no segundo, de 2013, – agora se dilui num mar de referências. O Bixiga, afinal, é o mundo inteiro.

 

Informações do show: http://www.sescsp.org.br/programacao/58082_BIXIGA+70

Para escutar o disco: http://www.bixiga70.com.br/

 

publicado por o editor às 13:11
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 17 de Março de 2015

Superloft apresenta: Lucas Santtana lança novo clipe e faz show exclusivo dia 22 de março

 

 

 

No próximo dia 22 (domingo), às 20h, Lucas Santtana faz show de lançamento do seu novo clipe “Diary of a bike” (https://www.youtube.com/watch?v=yFn7oJSUh9M ), no Superloft. Acompanhado de Caetano Malta (guitarra, baixo e MPC) e Bruno Buarque (MPC, IPad,bateria,efx), Lucas Santtana (Voz, guitarra, Cavaco, baixo,sinth e monome) toca as faixas do seu recente trabalho, “Sobre noites e dias”,  e revisita algumas de suas canções mais conhecidas, como “Lycra Limão”, "Cira Regina e Nana” e “Se pá ska SP.  

O single “Diary of a bike” é uma das faixas do sexto álbum do músico brasileiro, “Sobre Noites e Dias” , e a segunda a ganhar um clipe. Com cenas filmadas em São Paulo, Paris e Amsterdam, a música traz Lucas Santtana cantando em inglês e o rapper francês Féfé soltando a voz em francês. David Pacheco e Gabriel Froment assinam a direção do trabalho.

 

Na ocasião, Lucas recebe o músico Thiago França e grava cenas do seu primeiro DVD, a ser lançado no segundo semestre.

 

Serviços:

Lucas Santtana - Lançamento do clipe “Diary of a bike”,

Local: Superloft

Endereço: Rua Cardeal Arcoverde, 2926, Pinheiros

Horário: 20h

Valor dos ingressos:  R$ 30 (inteira)/ R$ 15 (meia)

Vendas: http://www.eventick.com.br/superloft-apresenta-lucas-sant

 

Escute o disco:

https://soundcloud.com/diginoisrecords/sets/lucas-santtana_sobre-noites-e-dias/s-mjMCs

 

 

Assessoria de Imprensa Lucas Santtana

Titita – Patrícia Dornelas

 (11) 99365 0944

patriciadornelas.news@gmail.com 

Sobre o disco:

As cordas do quarteto Oslo Strings repetem-se lentamente sobre uma sequência de acordes, como um tear mecânico que programa uma matriz sonora hipnótica. Lucas Santtana canta desde o primeiro segundo, sua voz manhosa e quieta de bom baiano contrapondo-se ao tom épico criado pelas cordas. Canta em inglês, conversa com computadores, tablets e smartphones - “máquinas complexas, seres complexos”. Sobre as cordas surgem outros instrumentos - a linha de baixo de Caetano Malta, beats e efeitos sonoros disparados pelo produtor Bruno Buarque, synths conduzidos por Lucas, ruídos de Zé Nigro, o piano de Zé Godoy e o clarone de Juliana Perdigão vão se envolvendo à textura do quarteto até que a exatos dois minutos após o início da música Lucas pergunta-se sobre as dúvidas destes seres, que nos escravizam através do tempo. “Onde está o tempo humano?”, cobra o compositor sem afobação no momento em que “Human Time” se revela em toda sua grandiosidade.

 

Estamos entrando em um território de ficção científica, mas não há alienígenas, robôs ou dimensões paralelas. A jornada proposta por Lucas no início de sua conversa é estranhamente familiar, mesmo quando a atriz Fanny Ardant sussurra a letra em francês.. Ao nosso redor o brilho de telas que respiram como plantas cria uma redoma de futurismo tecnológico que parece dar o tom do disco, mas os beats vão se reduzindo a uma batida que nos remete a uma máquina de escrever e a música some de repente, ao contrário da forma que começou.

 

“Human Time”, no entanto, nos engana. Lucas Santtana não está falando do futuro, não está projetando nada para depois de amanhã. Não é ficção, nem científico. Ele está falando de hoje - e a segunda faixa de seu Sobre Noites e Dias, o “Funk dos Bromânticos” nos leva para o extremo oposto da canção anterior. Cantada em português, é um funk carioca como seu título entrega. Mas que cordas são essas, arranjadas pelo próprio Lucas? E esses timbres de guitarra do Junix 11, de onde vêm? E esses tambores digitais tocados por Omulu e Daniel Haaksman? E linha do Seco Bass, que soa como um sapo? E a Camila Pitanga fazendo beatbox? Atéo s “bromânticos” do título - casal que transcende os gêneros no início do século 21, “ela não é gay, ele não é viado e não são mais classificados” - é tão alienígena quanto corriqueiro. Lucas está enfatizando as mudanças de nosso tempo e mostrando que por mais que os conceitos do mundo atual pareçam estranhos, eles são bem mundanos e conhecidos. Descemos da transcendência tecnológica para uma festa de beijos sem culpa.

E o disco segue apontando novos rumos. “Let the Night Get High”, apesar de seu título-refrão em inglês, é cantada em espanhol. Aqui sua banda básica - sua guitarra africana, o baixo firme de Caetano Malta e os efeitos rítmicos de Bruno Buarque - se junta ao sax endiabrado e à flauta eletrônica de Thiago França, numa jam session que desbrava a noite. O clima é tenso e audaz, marginal e íntimo. “Por que el drama?”, pergunta-nos com um sorriso malandro.

Lucas diz que Sobre Noites e Dias reúne crônicas do dia a dia, mas ele não está apenas contando pequenas histórias - ele vem flagrando as mudanças e transformações deste início de século, os paradoxos e contradições da vida pós-moderna e a forma como superamos estes dramas, assimilando-os à nossa rotina com a maior naturalidade.

É no miolo romântico de Sobre Noites e Dias, sobre paixões e relações, que ele se mostra mais cronista, mas nem por isso menos extravagante. A divertida “Montanha Russa Sentimental” é quase uma comédia romântica ou um seriado brasileiro em forma de canção - Lucas toca quase todos os instrumentos (deixa uma guitarra com Malta e chama o Do Amor Ricardo Dias Gomes para conduzir o baixo marcante) e fala de burilar smartphones, comprimidos ansiolíticos, romance de cinema - vida real, doce ilusão, pressão e solitude numa canção que começa com o soar do sino pavloviano do Whatsapp.

Na linda “Alguém Assopra Ela” - clarinete, oboé, flauta e fagote arranjados e regidos pelo maestro Letieres Leite, da Orquestra Rumpilezz) - ele canta um presente futurista de “´pontes feitas de aço”, “camisetas que mudam de cor” e “asfalto que absorve CO2” que não descarta “onda, barco, vento, vela”, ressaltando a introspecção. Oposta à ela vem a apaixonada “Partículas de Amor”, hit composto com Gui Amabis, que transforma o sentimento em um saboroso laboratório de transformações, conduzidas pela conversa do cavaquinho de Lucas com o violão de sete cordas de Luis Felipe de Lima e o baixo do paralama Bi Ribeiro.

“Diário de uma Bicicleta” encerra o miolo apaixonado do disco e o traz de volta para a rua, em um rolê de camelim de Lucas com o rapper De Leve pelas ruas do Rio. Lucas canta um refrão em inglês e deixa o MC de Niterói conduzir sua bicicleta em seu característico flow da zoeira. A marchinha “Mariazinha Morena Clara” chama novamente o sax de Thiago França e o clarone de Juliana Perdigão para juntar-se ao baixo de Marcelo Dworeki, a guitarra de Kiko Dinucci e o cello de Vincent Segal para um desfile jocoso que implora à sua musa para parar no Rio de Janeiro e deixar para lá a os camarões da Holanda de Van Persie ou a beleza da Tailândia.

Vincent, Juliana, Kiko e Thiago seguem acompanhando Lucas na faixa seguinte, a estranha e desconfiada “Blind Date”, cantada em inglês, em que os instrumentos comportam-se de forma mais climática que melódica ou percussiva, sublinhando a tensão de que “o amor pode ser uma armadilha”. O disco termina com uma balada clássica e pensativa: “Velhinho” foi composta com Rica Amabis e o produtor do Instituto que toca piano ao lado da guitarra de Maurício Tagliari e do baixo de Klaus Senna. Juntos parecem desfiar a textura musical à base da repetição, fazendo o movimento contrário das cordas de Oslo no início do disco.

Sobre Noites e Dias se desfaz ao mesmo tempo em que conclui suas elocubrações sobre as transições e contradições de nossa era - homem x mulher, natureza x tecnologia, realidade x ilusão, sentimento x ciência, rua x apartamento, carro x bicicleta. Até a forma como o disco muda de clima entre uma canção e outra é próprio desse nosso cotidiano shuffle, mas aprendemos a conviver com isso. E é isso que Lucas comemora ao saudar a fase de transição da noite para o dia ao final do álbum: “Madrugada, vem caminhar fria e calma, traz o destino”, pedindo, finalmente para, brindar “a alma desse teu velho 

“Agora jovem consigo” não é apenas uma conclusão, mas um convite para todos nós.

Alexandre Matias

 

 

publicado por o editor às 13:51
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 10 de Fevereiro de 2015

Juçara Marçal, Leo Cavalcanti e Verônica Ferriani participam do “Baile Muitos Carnavais” no Sesc Pinheiros

 

 

Músicos celebram o carnaval inspirados nas músicas de Caetano Veloso

 

 

“Muitos Carnavais”, coletânea lançada em 1977, traz músicas compostas por Caetano Veloso em uma homenagem ao carnaval e seus personagens. Com marchinhas e frevos que encantam os bailes e carnavais de rua.

                       

Nos dias 14 e 16 de fevereiro, o Sesc Pinheiros recebe o “Baile Muitos Carnavais”. Os três dias de folia, seguidos pela quarta-feira ingrata, serão festejados no melhor estilo. Leo Cavalcanti, Verônica Ferriani e Juçara Marçal cantam e exaltam a obra de Caetano.

 

Na direção musical está NABASE, núcleo criativo de produção musical dos músicos Décio 7 (Bixiga 70) e Gui Held (Criolo, Mariana Aydar, entre outros). Clássicos que atravessam gerações, como “A Filha da Chiquita Bacana”, composta em referência a marchinha de João de Barro (sucesso no carnaval do final dos anos 40), “Chuva, Suor e Cerveja” e “Atrás do Trio Elétrico” fazem parte do repertório. Além dessas músicas, o trio  canta outros hits de Caetano Veloso, como “Massa Real” e “Deixa Sangrar”.

 

 

Serviços:

Local: Sesc Pinheiros

Dias e horários: 14 de fevereiro (sábado), às 19h30

                           16 de fevereiro (segunda), às 16h

 

Ingressos: Grátis

 

Duração: 90 min

 

publicado por o editor às 12:49
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 15 de Janeiro de 2015

Bixiga 70 representa Brasil no Festival GlobalFEST em Nova York

 

 

Entre 10 e 17 de janeiro a banda instrumental Bixiga 70 faz uma série de shows em Nova York (EUA). Sensação da nova safra da música instrumental brasileira, a banda foi uma das atrações do GlobalFEST, festival de world music que integra a programação da APAP (feira americana de negócios musicais).

A apresentação aconteceu no último sábado, dia 11 de janeiro, no Webster Hall. Além do show no GlobalFEST, os músicos tocam no Joe's Pub, Nublu e NYCT Tropical Warm Up.

 

 
publicado por o editor às 12:01
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 23 de Outubro de 2014

Festa "Sexta Básica" apresenta: Céu e Orquestra Brasileira de Música Jamaicana no Grand Metrópole dia 24 de outubro

 

24 | outubro

OBMJ e Céu na @Sexta Básica

 

Chegou a quarta edição da Sexta Básica SP  e essa vai ser pra tacar fogo na fogueira da alegria!

 

Prepare o coração e garganta, pois o gingado vai enfumaçar a pista do "Sexta Básica",na sexta (24). A quarta edição da festa tem como palco, o lindo salão do antigo Cine Metrópole, no centro de São Paulo.

 

Dessa vez convidamos a cantora Céu interpretando o famoso disco de Bob Marley , "Catch a Fire", e canções do álbum "Caravana Sereia Bloom". 

 

Além de Céu,  convocamos  a turma engravatada da OBMJ – Orquestra Brasileira de Musica Jamaicana. A OBMJ interpreta clássicos da música brasileira numa mistura dos ritmos da Jamaica (ska,rocksteady e early reggae).

 

 

24 de Outubro (SEXTA)

Local: GRAND METRÓPOLE - Av. São Luis 187 - Centro (entrada lateral Galeria Metrópole)

Abertura da casa: 23H

INGRESSOS: http://www.sympla.com.br/sextabasicasp

Lote 1 Antecipado -R$ 30 

Lote 2 Antecipado - R$ 40 

Lote 3 Antecipado - R$ 60 

 

Na porta, sujeito a disponibilidade

Capacidade: 1500 pessoas

 

Não recomendado para menores de 18 anos.

 

A casa aceita todos os cartões, exceto a bandeira Elo, dispõe de chapelaria, e área aberta para fumantes.

 

 

publicado por o editor às 16:06
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 26 de Setembro de 2014

Caixa Cubo e Música de Selvagem fazem shows gratuitos no Mundo Pensante dia 30/09

 

 

clique para ampliar

 

publicado por o editor às 02:16
link do post | comentar | favorito
Domingo, 31 de Agosto de 2014

Tatá Aeroplano mostra o seu segundo disco na Casa do Mancha dia 9

 

Tatá Aeroplano mostra o seu segundo disco na Casa do Mancha dia 9
Apresentação faz parte da turnê de lançamento do álbum “Na Loucura e Na Lucidez”
O compositor e “front –man” das bandas Cérebro Eletrônico e Jumbo Elektro, Tatá Aeroplano,  acaba de lançar o seu segundo CD, “Na Loucura e Na Lucidez”. No próximo dia 09 de setembro, o músico toca na Casa do Mancha, às 21h.
Neste segundo projeto, o paulista reafirma que o melhor é sempre registrar as ideias. E é nessa mistura de criação por impulso  com disciplina que Tatá narra as crônicas de amor e as histórias da noite de São Paulo.
O show que Tatá apresenta, é baseado no novo disco, “Na Loucura e Na Lucidez”, em que a produção de Dustan Gallas e Junior Boca, mesmo time que gravou e produziu seu primeiro álbum, deu o tempero necessário a um trabalho autoral e criativo.  Além dos produtores, nomes como Bárbara Eugênia, Meno Del Picchia, o poeta arrudA e Alan Brasileiro, este com composição recebida através de contato na fanpage do artista, realizam belas parcerias no disco.
“ "Na Loucura e Na Lucidez " é o fim e o começo do amor, a dor do fim de um relacionamento ... Quando se percebe que não há nada a fazer, a não ser se jogar no abismo da loucura para curar as chagas do amor, voltar a lucidez e recomeçar tudo de novo.”, afirma Tatá Aeroplano.
Serviços:
Local: Casa do Mancha
Endereço: Rua Felipe de Alcaçova- S/N
Dia: 09 de setembro
Horário: 21h
Informações: 11 3796 7981
Capacidade: 80 pessoas
Ingressos: R$ 20

 

publicado por o editor às 23:23
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 25 de Agosto de 2014

Novo clipe de China, "Arquitetura de Vertigem", aborda questões sociais

 

 

 

Em 2010 China compôs a canção "Arquitetura de vertigem", depois de perceber o crescimento de grandes torres na cidade do Recife. Quatro anos depois surgiu o movimento ocupe estelita, onde os cidadãos recifenses foram para as ruas protestar contra o projeto "novo recife" capitaneado por grandes construtoras da cidade que visavam destruir a área histórica do cais José Estelita, para a construção de 12 torres comerciais e residenciais.
China, que desde o início está engajado com o movimento ocupe estelita, divulgando fotos, vídeos e matérias de jornais, passou um dia na ocupação ajudando e acompanhando a vivência dos bravos recifenses que ocuparam a área do cais José Estelita. Depois desse dia, o artista resolveu fazer um clipe para colaborar com mais afinco com o movimento, e veio a idéia de pedir imagens aos vários cineastas e ativistas que registraram todo o processo de ocupação e também a crueldade da polícia militar para retirar as pessoas que ali estavam.
Com direção de Pedro Escobar e Pedro Vitor Ferraz, o clipe conta com imagens cedidas por Pedro Severian, Marcelo Pedroso, Chico Ludemir, Rafael Reines entre outros que permaneceram registrando imagens da ocupação desde seu início.
Assim nasceu mais um clipe colaborativo de China, mas em vez de ter imagens para emoldurar a sua canção, esse clipe serve para alertar as pessoas de todo o Brasil que somos capazes de mudar e colaborar com os rumos que as cidades brasileiras estão tomando. Discutir a cidade com as pessoas que habitam nela, é isso o que a ocupação do José Estelita pretende, e esse clipe funciona como forma de apoio e gratidão a todos os cidadãos que deixaram suas casas para mudar e questionar os rumos da cidade.
"Arquitetura de vertigem" faz parte do novo álbum de China, Telemática, que será lançado no início de setembro.
 
Direção:
Pedro Escobar e Pedro Vitor Ferraz
Edição: Bersa Mendes
Produção Raíssa Ebrahim
Imagens: Pedro Escobar, Pedro Vitor Ferraz, Pedro Severian, Marcelo Pedroso, Chico Ludemir, Rafael Reines entre outros.
Seguem infos do clipe...
Texto inicial: Otto Lara Resende

 

publicado por o editor às 14:58
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 20 de Agosto de 2014

Leve Bixiga 70 para sua cidade

 

 

 

Contatos

SHOWS
Verdura Produções Culturais
+ 55 11 3031.6431
www.verduraproducoes.com
publicado por o editor às 15:00
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 15 de Agosto de 2014

''Sobre Noites e Dias'' novo disco de Lucas Santtana.

 

 



https://go.madmimi.com/redirects/1408033866-84b33d8dcde3069bc18d9e0311fb0929-b8b5147?pa=24465970130

 

publicado por o editor às 19:30
link do post | comentar | favorito

.tags

. todas as tags

.arquivos

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

.subscrever feeds